Mitos e verdades sobre o câncer em crianças e adolescentes

Publicado 30 de novembro de 2016 em

13775362_1095676817191555_7046279065684318791_n

O câncer é uma doença cada vez mais comum, mas sempre é uma grande surpresa e traz medo e dúvidas quando atinge pessoas da nossa família e conhecidos, ainda mais quando envolve crianças e adolescentes. Segundo a Sociedade Brasileira de Oncologia Pediátrica, Sobope, essa é a segunda causa de mortes de crianças no Brasil, e fica atrás apenas dos acidentes.

No Brasil, uma média de 12 mil crianças e adolescentes recebem o diagnóstico da doença anualmente. Apesar de ter uma evolução rápida, a resposta ao tratando também é muito positiva e rápida e 70% destes casos infantojuvenis tem chances de cura, se forem diagnosticados precocemente.

É comum surgirem muitas dúvidas quando aparece a doença, por isso, a Sobope, esclarece sete mitos e verdades relacionados ao câncer em crianças e adolescentes.

1 – O câncer em #criança é igual ao do adulto?

Isso é um mito. O câncer mais comum em adultos, como o de pulmão ou mama, tem o nome de carcinoma, que pode vir por estilos de vidas ou mesmo por algum fator ambiental, raramente aparecem em crianças. A doença na forma infantojuvenil costuma vir de células do momento em que o feto se desenvolvia durante a gestação.

2 – A culpa é dos pais?

Isso também é um mito. Ninguém é culpado por uma criança ser diagnosticada com câncer e não existe nada que comprove cientificamente que a forma que se é criado, as atividades ou dietas podem causar essa doença nos mesmos.

3 – O câncer nas crianças é genético?

Depende. Pode acontecer de uma criança ser diagnosticada com câncer e alguém da família também já ter tido a doença, mas a maioria acontece ao acaso, pela alteração no gene das células que não se dividem normalmente. Essas mutações podem ocorrer em apenas uma pessoa na família.

4 – O câncer tem cura?

Verdade. Em média 70% dos casos da doença, nas crianças e adolescentes diagnosticados precocemente, podem ter a cura e viver uma vida ativa e plena. Com o tratamento certo, a doença pode entrar em remissão e o paciente não apresentar nenhum sinal ou sintoma da mesma e ser considerado curado após 5 anos.

5 – Crianças com câncer podem tomar vacina?

Isso depende. Nas crianças que estiverem passando pela quimioterapia, não é indicada a aplicação das vacinas vivas, como a de poliomielite, sarampo, rubéola e febre amarela, devido ao risco de se pegar uma infecção parecida com a natural, visto que a imunidade do paciente está baixa. Já as outras vacinas consideradas não vivas, como a de coqueluche, tétano, hepatite B, pneumococo, e influenza podem ser liberadas de acordo com cada situação particular.

6 – Adolescentes em tratamento contra o câncer podem congelar célula reprodutiva?

Verdade. Apesar de serem poucos os tratamentos que podem causar a infertilidade, é possível sim que as células reprodutivas sejam congeladas para se ter filho no futuro.

7 – A pessoa com câncer está mais suscetível a infecções?

Isso é verdade. Como a pessoa que faz tratamento contra o câncer fica com o sistema imunológico baixo, é mais fácil sim pegar uma infecção e ter mais dificuldade para combatê-lo.

*Com informações de BlastingNews.


Instituições cadastradas no Instituto Ronald McDonald