Inteligência Emocional como ferramenta de esperança

Inteligência Emocional como ferramenta de esperança

Aprender a lidar com os próprios sentimentos não é algo que vem “de fábrica”. Muito pelo contrário, entre erros e acertos vamos aprendendo a controlar e, sobretudo, a aproveitá-los em nosso crescimento pessoal.

O progresso que damos rumo a este aprendizado é conhecido como Inteligência Emocional.

Em geral, ele começa a se desenvolver depois de alguma situação da vida que desperta fortes sentimentos. Crianças e adolescentes costumam enfrentar esse momento durante a fase escolar. O convívio com os colegas, as provas, os trabalhos em grupo ou a volta às aulas são exemplos de obstáculos e vitórias que experimentam.

Seja na chegada em um colégio novo ou na volta às aulas, algumas sensações se fazem presentes; a ansiedade e a expectativa são algumas delas. O reencontro com os amigos, as novas matérias e os novos desafios de aprendizagem geram sentimentos que mexem com o imaginário.

No entanto, nem sempre as coisas saem como esperado. É este resultado que requer cuidado e atenção.

Inteligência Racional x Inteligência Emocional: aprendendo a equilibrar

Não existe uma idade certa ou ideal para a inteligência emocional começar a ser aprendida. É importante entender que essa experiência não é como aprender a andar, comer ou falar um novo idioma; ela amadurece com o tempo, com as vivências e experiências de cada um.

Um adolescente com câncer pode, durante o tratamento, viver uma explosão de sentimentos. Sejam eles o medo e a raiva ao saber da doença, a dor da perda ao ver companheiros de luta partindo e até mesmo a alegria e o orgulho pela notícia da cura.

A montanha russa sentimental de um processo tão intenso quanto o tratamento do câncer pode gerar, especialmente para uma pessoa tão jovem, a compreensão sobre os próprios sentimentos que alguém com 50 anos ainda não aprendeu…

Cada um tem sua própria vivência e aprende coisas diferentes com ela

Estes tantos desafios naturais ao amadurecimento das crianças e adolescentes é duplamente afetado quando câncer é uma realidade. O emocional influencia toda sua vida: família, amigos, escola, namoro, sonhos.

Neste cenário, o projeto Escola Móvel do GRAACC (Grupo de Apoio ao Adolescente e Criança com Câncer) cumpre um papel muito importante. Ele não atua apenas na manutenção do estudos durante o tratamento, mas dá-lhe a sensação de que existe uma vida que precisa ser mantida, afinal, a cura virá e será preciso seguir.

Amália Covic, coordenadora do projeto, fala como cada professor cumpre o papel de amigo e apoiador nesse período:

“Por isso damos aulas individuais, porque antes de tudo o professor percebe como está o emocional daquele aluno específico, para só então pensar qual didática aplicar, se vai tradicional, uma conversas, jogos, filmes… tudo pensado para se adaptar à realidade do paciente.”

São percepções simples como essas que estimulam a luta, que dão forças e desenvolvem a inteligência emocional. Cada apoio no processo ajuda a inundar o coração de esperança para que todo paciente possa seguir em frente confiante em si e no seu futuro.

Agora que você já leu sobre os desafios dos pequenos guerreiros que enfrentam essa luta, que tal conhecer a campanha do Setembro Dourado no nosso blog? Ela conscientiza milhares de pessoas sobre a importância do diagnóstico precoce para a redução do número de morte por câncer infanto juvenil.

Comentários: 0 / Compartilhar:

Você pode gostar também de …

Publicar comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos marcados com um * são obrigatórios.