Rafaelly: a menina feita de sonho e esperança

Rafaelly: a menina feita de sonho e esperança

Quando uma criança nasce, sonhos nascem. Não só os delas, mas os da mãe, do pai, do irmão, da vó, da tia… Estamos falando de um ciclo de esperança.

Esperança por um sorriso capaz de derreter vilões, pelas ideias inovadoras que podem transformar o mundo e até de que um jovem coração tenha o poder em mãos de colorir o planeta com sua alegria.

Rafaelly nasceu no dia 07 de dezembro de 2010. Chegou toda pequetita para deixar a vida da mãe Renata e do irmão Raphael mais bela. Veio para ser os dois: sonho e esperança.

Renata sempre quis um segundo filho. O que poucos sabem é que, para seguir a escolha da dupla maternidade, precisou derrubar muitas barreiras — e elas deixaram de importar no momento em que o sorriso de Rafa chegou.

Rafaelly recebeu uma missão linda e gostosa: ser companheira fiel do irmão Raphael. Assim, os dois poderiam ser amigos e caminhar juntos pela vida.

E, de fato, a união dos dois esteve presente desde o início, com muito amor entre brincadeiras e momentos em família.

Até que, um dia, Rafa chegou da escola com dor no braço por causa de uma batida em meio a uma brincadeira com uma amiguinha. Para a mãe, esse era só mais um machucado de criança.

Um mês depois, Rafa falou, como quem não quer nada, que a dor no braço não tinha passado. E tudo bem, ela já tinha até se acostumado.

O sinal vermelho acendeu!

Renata procurou um médico e rapidamente foi encaminhada para o GRAACC (Grupo de Apoio ao Adolescente e Criança com Câncer). Em troca, um diagnóstico rápido, preciso e decisivo.

Foi em novembro de 2017 que a família toda ganhou um novo desafio, possivelmente o maior que poderiam enfrentar: o osteossarcoma, um câncer que atinge as células formadoras dos ossos.

Em segundos, o mundo de Renata caiu.

Rafa foi para casa com o pai. A mãe se acolheu na sombra de uma árvore, onde sentou e chorou até os olhos incharem. Chorou, duvidou e se questionou por horas.

“Assim que o médico falou, eu não conseguia ouvir, não falava, não me expressava, não sentia mais nada, só dor e medo.”

— Renata Dantas, mãe de Rafaelly.

Aos poucos as lágrimas se transformaram em força, e a família toda foi à luta. O recado para o irmão Raphael era claro: precisamos fazê-la sorrir!

Assim como tantas outras mães, Renata precisou deixar o emprego para acompanhar o tratamento da filha. Passou a viver a partir das doações de amigos e familiares, tendo o GRAACC como sua casa.

Foi no Espaço da Família que ela passou os dias aguardando reações positivas do corpo de Rafa.

Ah Rafa?

A Rafa continuou sonhando. Querendo fazer do mundo um lugar melhor e mais justo, exatamente como quando ela e a mãe passeavam pelo shopping, procurando a dona do dinheiro que Rafa achou no chão.

Este gesto simples simbolizava o desejo puro de uma menina de 7 anos: tornar o mundo um lugar bom. Queria ser heroína, daquelas bem modernas, salvando o mundo com muito estilo — “uma SuperBarbie!”.

É verdade que poder para solucionar todos os problemas do planeta ela ainda não tem, mas seu sorriso já salvou o mundo da própria mãe.

“Lembro quando fomos raspar o cabelo dela. Eu estava com todo cuidado tentando explicar que cresceria novamente, evitando as lágrimas para não impressioná-la. Quando se olhou no espelho e se viu careca, ela abriu um sorrisão e disse que estava linda, não consegui segurar, as lágrimas dessa vez eram de agradecimento e esperança.”

Foram 9 meses de luta. Enfrentando batalhas duras: cirurgia, quimioterapia, perdas, medo, saudade… Mas esta guerra chegou ao fim, nossa SuperBarbie venceu o câncer.

Comentários: 0 / Compartilhar:

Você pode gostar também de …

Publicar comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos marcados com um * são obrigatórios.