close.png

Newsletter SignUp

Inscreva-se no nosso eNewsletter para ler histórias inspiradoras de nossas famílias e aprenda como seu apoio ajuda as crianças a se curarem.

  •  
  • Erro

    Não foi possível recuperar seus dados devido a um erro.

  • close.png thank_you.png
    OBRIGADO POR INSCREVER-SE

    Estamos muito satisfeitos por você ter decidido se juntar à nossa família. Hoje, você se juntou a um movimento global que permite que as famílias se concentrem no que é mais importante - o filho doente - enquanto cuidamos do resto!

    Seus amigos na Ronald McDonald House Charities
     

    Programa Diagnóstico Precoce: aumentando as chances de cura

    Inevitavelmente, falar sobre câncer infantojuvenil no Brasil passa pela história do Instituto Ronald McDonald e pelo programa que tem mudado tantas realidades no Brasil: o diagnóstico precoce.


    Motivados pela história de luta de uma família, o Instituto trabalha desde 1999 desenvolvendo e coordenando programas que possibilitam o diagnóstico precoce, o encaminhamento adequado, o acolhimento e o atendimento integral de qualidade para os jovens pacientes e seus familiares.

    A doença, ainda hoje, é um mistério. Mesmo com inúmeras pesquisas no campo, não se sabe ao certo o porquê do seu desenvolvimento, a causa ou uma metodologia de prevenção. O fato é que, há 30 anos, esta realidade era ainda mais incerta, principalmente ao se falar da incidência em crianças.

    O quadro da doença na infância é muito similar aos sintomas de tantas outras enfermidades comuns a esta fase. Por isso, identificar a doença na criança era muitas vezes a última opção.

    O Dr. Sérgio Petrilli, médico cofundador e mentor do GRAACC, revela que há alguns anos era comum crianças irem a óbito por “causa desconhecida”. Em muitos casos essa causa era o câncer e muitas crianças morriam sem que a família soubesse da existência da doença. Hoje esta realidade é muito diferente, não só porque é possível identificar, mas também tratar e dar chances reais de vida.

    Muitos são os fatores que mudaram essa realidade. Os avanços da tecnologia, da pesquisa e das estruturas de atendimento fizeram com que as chances de cura saltassem para até 80% quando diagnosticado precocemente.

    É justamente nesta etapa que o Programa Diagnóstico Precoce age há 10 anos, treinando e expandindo o olhar dos profissionais de saúde para identificar o câncer já nos primeiros sinais.

    Desde o primeiro projeto, em 2008, o Programa Diagnóstico Precoce recebeu diversos reconhecimentos de organizações nacionais e internacionais. Em 2009, por exemplo, o Programa Diagnóstico Precoce foi vencedor do VIII Prêmio LIF (Liberdade, Igualdade e Fraternidade), promovido pela Câmara de Comércio França-Brasil na categoria Saúde. Concorrendo com projetos de empresas como Arcelor Mittal Brasil e Sanofi-Aventis Farmacêutica.

    O balanço do programa identificou o avanço nos indicadores da doença em todo o país. O Instituto levantou que o impacto do programa Diagnóstico Precoce já reduziu em 66% o tempo entre os primeiros sintomas e o início do tratamento.

    Isso reflete em uma realidade em que a espera para o tratamento chega a ser de 8 meses, e que hoje já pode ser muito menor em várias cidades brasileiras. Da mesma forma, o levantamento também indicou o aumento de 23% na detecção do diagnóstico precoce, o que significa que a capacitação profissional para perceber os primeiros sinais é efetivo na velocidade do tratamento adequado.

    Não só nos 10 anos do Programa Diagnóstico Precoce, mas nos 19 anos do Instituto Ronald McDonald, cada vitória conquistada é fruto da união de toda a sociedade.

    Com as parcerias empresariais e, principalmente, as doações recorrentes e pontuais que chegam de todas as partes do Brasil é que foi possível acumular uma história com tantos finais felizes.

    Leia mais no blog

    IRM Histórias

    • overlay

      Mariele Costa da Silva

      X

      A história de Mariele é muito especial, pois ela foi uma das primeiras crianças a usufruir da Casa Ronald McDonald Belém, uma casa de apoio feita com muito carinho para receber pacientes que chegam à capital do Pará para tratamento. Vale lembrar que, segundo dados do Inca (Instituto Nacional d... (Continuar lendo sobre Mariele Costa da Silva)

    • overlay

      JULIA MORENO FARIA

      X

      Em 2008, Julia Moreno Faria, hoje com 13 anos (2021), foi diagnóstica com glicogenose hepática 1B. Em 2014, um novo diagnóstico: mielodisplasia. Julia, apesar de ser nascida no Rio de Janeiro, é hospede da Casa Ronald McDonald Campinas, no interior de São Paulo, e ainda continua seu tratamento ... (Continuar lendo sobre JULIA MORENO FARIA)

    • overlay

      FAMÍLIA NEVES

      X

      A história da Família Neves começou com a história de uma família comum: pai, mãe e dois filhos que viviam no bairro da Tijuca e levavam uma vida tradicional. Trabalho, escola, lazer no Tijuca Tênis Clube e futebol com a torcida pelo Vasco da Gama. Mas esta história começou a tomar um novo ... (Continuar lendo sobre FAMÍLIA NEVES)

    • overlay

      Maria Vitória Gomes Ferreira

      X

      Maria Vitória tem apenas 11 anos, mas já passou por muita coisa na vida. Quando tinha apenas cinco aninhos foi diagnosticada com um tumor cerebral. Ela teve que mudar radicalmente sua rotina. Saiu do pequeno município de Rio Crespo, em Rondônia, no norte do país, para uma grande cidade com o... (Continuar lendo sobre Maria Vitória Gomes Ferreira)

    • overlay

      JUAN YURE

      X

      Da cidade de Fortaleza, no Ceará, Juan Yure Carneiro das Chagas, com apenas 12 anos, já enfrentou obstáculos que poderiam desestruturar qualquer pessoa adulta. Depois de uma inocente brincadeira entre amigos, Juan descobriu uma alteração no osso femoral. A partir dessa constatação, ele foi di... (Continuar lendo sobre JUAN YURE)

    • overlay

      MACISTER JUSTINO

      X

      Aos 17 anos, com um caderno de desenhos e lápis de cor nas mãos, Macister Junior Justino chegou na Casa Ronald McDonald Campinas, umas das sete unidades do Programa Casa Ronald McDonald em operação no Brasil. O jovem foi diagnóstico com Linfoma de Hodgkin – um câncer no sistema linfático - ... (Continuar lendo sobre MACISTER JUSTINO)

    • overlay

      HELOISA GEMELLI

      X

      Em maio de 2017, aos 14 anos, Heloisa Gemelli, de Cascavel, no Paraná, foi diagnosticada com Linfoma de Hodgkin. Seu pai, Alessandro, médico, já havia sido capacitado pelo Programa Diagnóstico Precoce do Instituto Ronald McDonald (o Programa, em 10 anos, já capacitou mais de 26 mil profissionai... (Continuar lendo sobre HELOISA GEMELLI)

    • overlay

      OSCAR E ANA BEATRIZ

      X

      Ana Beatriz, 19, andava inquieta pelos corredores do Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo, em Belém - PA. Ela não gostava de ficar muito tempo no quarto. Internada para fazer exames relacionados ao Teratoma de Ovário, em 2017, quando conheceu a Vilma, que estava com o filho internado. Ele,... (Continuar lendo sobre OSCAR E ANA BEATRIZ)

    • overlay

      JUAN CARLOS

      X

      Em 2011, aos 10 anos, Juan Carlos de Araújo Moreira foi diagnosticado com câncer: 10 tumores malignos e uma metástase no pulmão. Hoje, aos 18 anos, ele está curado, é estudante de técnico de informática, está no seu primeiro emprego e tem o sonho de estudar fora do país. Juan mora em Campo... (Continuar lendo sobre JUAN CARLOS)

    Conheça as

    Famílias

    FIQUE POR DENTRO DAS NOVIDADES

    Inscreva-se para receber todas as atualizações do Instituto Ronald McDonald