close.png

Newsletter SignUp

Inscreva-se no nosso eNewsletter para ler histórias inspiradoras de nossas famílias e aprenda como seu apoio ajuda as crianças a se curarem.

  •  
  • Erro

    Não foi possível recuperar seus dados devido a um erro.

  • close.png thank_you.png
    OBRIGADO POR INSCREVER-SE

    Estamos muito satisfeitos por você ter decidido se juntar à nossa família. Hoje, você se juntou a um movimento global que permite que as famílias se concentrem no que é mais importante - o filho doente - enquanto cuidamos do resto!

    Seus amigos na Ronald McDonald House Charities
     

    Tudo que você precisa saber sobre o câncer infantojuvenil

    Criado pela Union for International Cancer Control’s (UICC), o Dia Mundial Contra o Câncer é mais que uma data importante em um calendário anual. É uma campanha que une todo o mundo em torno da luta contra o câncer. Mas o que isso significa na prática?

    Significa que, anualmente, no dia 04 de fevereiro, instituições de todos os continentes dedicam um momento do seu dia para entender que salvar vidas é um poder que está ao nosso alcance.

    Por meio da divulgação e educação acerca dos tipos de câncer e do pressionamento de governos para não deixar o tema cair em esquecimento, reassegura-se investimentos em pesquisas e métodos de prevenção.

    Esta não é a única data relevante para o câncer, como o Setembro Dourado, Outubro Rosa e Novembro Azul provam. Porém é a que centraliza o esforço em um dia só.

    Sabe-se que não há uma fórmula mágica para impedir o seu surgimento, especialmente quando atinge crianças e adolescentes. Existem, entretanto, alguns fatores que diminuem os ricos nos casos de adultos. Segundo o INCA, são alguns deles:

    A campanha do Dia Mundial Contra o Câncer

    2019 marca o lançamento do tema #IAmAndIWill, livremente traduzido para #SouEVou, que permanecerá até 2021. Este é um chamado para ação que aposta no compromisso pessoal para gerar impacto futuro.

    Independentemente de quem você for e do tempo disponível que tiver, pode reduzir o impacto do câncer na sua própria vida e na daqueles ao seu redor. Sou o Instituto Ronald McDonald e vou continuar promovendo a saúde e a qualidade de vida de adolescentes e crianças com câncer. E você?

    A luta é de todos nós

    Por mais de duas décadas, o Instituto Ronald McDonald desenvolve e coordena programas voltados para as quatro frentes na luta contra o câncer: diagnóstico precoce, atendimento integral de qualidade aos pacientes, um lar para aqueles que precisam ir para os grandes centros urbanos a fim de encontrar os melhores hospitais e um espaço humanizado dentro desses hospitais.

    Todo o trabalho realizado é fruto da dedicação de um número imenso de pessoas. Funcionários da nossa ONG, empresários que apoiam a iniciativa, médicos capacitados, voluntários: esta é a prova de que a luta contra o câncer não é de uma pessoa, mas de todos nós.

    Na infância e na adolescência essa realidade pode ser ainda mais difícil. A dependência dos pacientes em relação aos seus responsáveis transforma toda a dinâmica do tratamento e, consequentemente, do lar.

    E o resultado disso tem-se mostrado impressionante. Hoje, as chances de cura do câncer infantojuvenil chegam à 80% quando diagnosticado precocemente. Novamente, discuti-lo volta à pauta como aspecto relevante para que este número só cresça ao longo dos anos.

    A narrativa do Instituto está intimamente ligada à da evolução da oncologia pediátrica no Brasil e a nossa função aqui hoje é, mais uma vez, informar para transformar.

    As causas do câncer infantojuvenil

    Diferentemente do que acontece com adultos, a causa do câncer nas crianças e adolescentes costuma ser de origem embrionária. Este é tanto seu trunfo quanto seu maior problema: como estão em fase de crescimento, o desenvolvimento da doença se dá de forma bem mais rápida.

    Ao mesmo tempo, é por esse mesmo motivo que está mais propenso a bons resultados quando ainda em fase inicial e o tratamento ocorre de forma adequada em centros de saúde especializados. Não à toa o GRAACC, em São Paulo, é um dos mais citados e procurados centros do país.

    As estimativas para o ano é do surgimento de aproximadamente mais 12.500 casos no país. Se este não é motivo suficiente para ficar atento aos sinais e sintomas da doença, talvez a consciência de que moramos em um país de tamanho continental no qual faltam informações aos próprios médicos seja.

    Sem desespero, precisamos entender que realidades estão aí para serem transformadas positivamente. É um dever cuja ideia compramos e levamos para a nossa rotina todos os anos das nossas vidas. Às vezes, gestos pequenos fazem toda a diferença: você sabia que um sorriso pode mudar completamente o dia de alguém?

    As opções de tratamento do câncer infantojuvenil

    A máxima “cada caso é um caso” se aplica tanto aqui quanto para qualquer outro lugar. Cada criança tem um histórico, cada família, uma experiência.

    Isso significa que cada criança e adolescente terá um tratamento específico, que pode variar de transplante de medula óssea (em casos de leucemia) a quimioterapia, imunoterapia e outras opções. Essa escolha é resultado de muitas variáveis e quem decide o caminho mais seguro e com maiores chances de sucesso é o próprio médico.

    Em alguns casos, a UTI se faz necessária. Mas você sabe o que é uma UTI? A Unidade de Terapia Intensiva é um espaço no hospital que, para crianças e adolescentes, permite acompanhamento de um responsável.

    Nela, o monitoramento é de 24h por dia, todos os dias da semana, garantindo melhor controle sobre o que acontece na saúde do paciente e respostas mais ágeis para possíveis problemas. Por isso, ela é bem diferente da Quimioteca, um espaço para quem está em processo específico de quimioterapia.

    William é um dos casos que chegou ao GRAACC e encontrou todo o apoio nos programas do Instituto Ronald McDonald. Sua estadia na UTI foi breve, mas efetiva. Hoje, o menino espoleta está curado.

    Os principais tipos de câncer infantil

    Apesar da diversidade da própria doença, existem alguns tipos de câncer que são mais comuns em crianças e adolescentes. A pouca idade faz com que eles não tenham ainda criado hábitos prejudiciais à sua própria saúde e, por isso, as possibilidades de diagnóstico são um pouco menores.

    Tumor de Wilms

    Desenvolve-se nos rins, sendo característico da infância. Não se sabe exatamente o motivo do seu surgimento e crescimento, mas influencia diretamente nas funções dos rins de filtrar o sangue a fim de eliminar substâncias nocivas como amônia, ureia e ácido úrico.

    Possui um alto índice de cura e geralmente aparece de forma unilateral. O maior desafio de quem possui a doença é seu diagnóstico, já que seus sintomas costumam aparecer apenas quando a doença está mais avançada. Todas as informações sobre o tumor de wilms você encontra aqui.

    Retinoblastoma

    Uma das características do retinoblastoma é que sua manifestação mais comum acontece nos primeiros anos de vida. Ou seja, afeta principalmente crianças. O  sintoma mais presente é o aparecimento de uma mancha branca na retina, chamada leucocoria.  Além da leucocoria, o retinoblastoma também se revela através de problemas de visão, estrabismo e até mesmo deformação do globo ocular.

    Porém cerca de 400 crianças brasileiras sofrem com ele por ano — o que o torna uma doença rara e, portanto, escondida de boa parte da população. O diagnóstico precoce é fundamental.  Mais informações sobre Retinoblastoma você pode encontrar aqui.

    Tumores Germinativos

    Hoje em dia, o câncer é a segunda principal causa de morte entre adultos e crianças no mundo (OPAS/OMS).E ao falar sobre câncer é preciso compreender que se trata de um grupo diverso de doenças com um aspecto em comum. São patologias caracterizadas pelo crescimento desordenado de células que invadem tecidos e órgãos.

    Os tumores germinativos são disfunções benignas ou malignas. Como o próprio nome diz, afetam as células germinativas, aquelas que dão origem aos espermatozóides e óvulos. Eles podem surgir dentro das gônadas, que nos homens são os testículos e nas mulheres os ovários. No entanto, eles também podem aparecer fora delas e, neste caso, são chamados de extragonadais.

    Leia mais no blog

    IRM Histórias

    • overlay

      Mariele Costa da Silva

      X

      A história de Mariele é muito especial, pois ela foi uma das primeiras crianças a usufruir da Casa Ronald McDonald Belém, uma casa de apoio feita com muito carinho para receber pacientes que chegam à capital do Pará para tratamento. Vale lembrar que, segundo dados do Inca (Instituto Nacional d... (Continuar lendo sobre Mariele Costa da Silva)

    • overlay

      Maria Vitória Gomes Ferreira

      X

      Maria Vitória tem apenas 11 anos, mas já passou por muita coisa na vida. Quando tinha apenas cinco aninhos foi diagnosticada com um tumor cerebral. Ela teve que mudar radicalmente sua rotina. Saiu do pequeno município de Rio Crespo, em Rondônia, no norte do país, para uma grande cidade com o... (Continuar lendo sobre Maria Vitória Gomes Ferreira)

    • overlay

      Ítalo Derick Cortez Paes

      X

      Quem vê um rapaz deste tamanho nem imagina que ele tem apenas 14 anos. O olhar e o sorriso são de um jovem que em breve estará livre do câncer! E olha só: já está até comemorando com o V da Vitória. Ítalo foi diagnosticado com leucemia mieloide aguda em 2017. Ele fez o tratamento lá em... (Continuar lendo sobre Ítalo Derick Cortez Paes)

    • overlay

      Wenddy Silva

      X

      Wenddy Silva, natural de Macapá, tem 6 anos e é portadora de Leucemia Linfocítica Aguda. É hóspede da Casa Ronald McDonald em Jahu há seis meses para realização de transplante de medula óssea no Hospital Amaral Carvalho. “Aqui na Casa Ronald McDonald eu adoro brincar na sala de recrea... (Continuar lendo sobre Wenddy Silva)

    • overlay

      GABRIELE LIMA

      X

      Gabriele de Lima tem 16 anos e é portadora de Osteosarcoma. Está em tratamento a 5 anos e hospedada na Casa Ronald McDonald ABC a 5 meses. A jovem adora os passeios que realiza na Casa, as atividades de artesanato e a interação com os voluntários. "Gostaria de agradecer a todos os colaboradore... (Continuar lendo sobre GABRIELE LIMA)

    • overlay

      RICK DEIVID

      X

      Rick Deivid Ferreira tem 12 anos e é portador de Leucemia. Está em tratamento há 10 meses. Torcedor do Vaso da Gama, Rick sonha em ser jogador de futebol.

      “Nesses 10 meses que eu venho para o hospital sempre fico aqui. No Espa... (Continuar lendo sobre RICK DEIVID)

    • overlay

      NATALI GOMES

      X

      Natali Gomes tem 23 anos, é ex-paciente e voluntária na Casa Ronald McDonald Moema na área de visitas. Um dos seus sonhos é ajudar voluntariamente crianças que vivem em orfanatos.

      "Recebi meu diagnóstico de aplasia de medula ... (Continuar lendo sobre NATALI GOMES)

    • overlay

      JULIA MORENO

      X

      Julia Moreno tem 8 anos e está em tratamento, por um período indeterminado, contra uma mielodisplasia e glicogenose hepática 1B. Desde novembro de 2014, Julia é hospede da Casa Ronald McDonald Campinas. Para sua Mãe, Milena Pereira, a experiência na Casa Ronald McDonald se resume a um excelen... (Continuar lendo sobre JULIA MORENO)

    • overlay

      FAMÍLIA AMORIM

      X

      Emocionante história de uma mulher guerreira, que com muita doçura lutou, batalhou e venceu o câncer da sua filha: uma menina de 7 anos, diagnosticada com câncer aos três. Em 2013, Michele e Renata, mãe e filha, foram as estrelas da campanha McDia Feliz. Para qualquer família, enfrentar um d... (Continuar lendo sobre FAMÍLIA AMORIM)

    • overlay

      FAMÍLIA NEVES

      X

      A história da Família Neves começou com a história de uma família comum: pai, mãe e dois filhos que viviam no bairro da Tijuca e levavam uma vida tradicional. Trabalho, escola, lazer no Tijuca Tênis Clube e futebol com a torcida pelo Vasco da Gama. Mas esta história começou a tomar um novo ... (Continuar lendo sobre FAMÍLIA NEVES)

    • overlay

      MARIANA BICALHO

      X

      Mariana Bicalho, hoje com 7 anos de idade, se recuperou totalmente após um ano e meio de tratamento contra um câncer renal. Moradora da cidade de Petrópolis, no Rio de Janeiro. Em 2010, quando tinha apenas dois anos de idade, Mariana desenvolveu um nefroblastoma, q... (Continuar lendo sobre MARIANA BICALHO)

    • overlay

      LAUDINE ROQUE

      X

      Em julho de 2005, quando a Laudine Roque tinha 13 anos, ela foi diagnosticada com Leucemia. O período principal do tratamento durou cerca de 4 meses no Hemorio. À época, Laudine residia no bairro da Tijuca, no Rio de Janeiro, próximo a Casa Ronald McDonald Rio de Janeiro, onde teve oportunidade ... (Continuar lendo sobre LAUDINE ROQUE)

    Conheça as

    Famílias

    FIQUE POR DENTRO DAS NOVIDADES

    Inscreva-se para receber todas as atualizações do Instituto Ronald McDonald