close.png

Newsletter SignUp

Inscreva-se no nosso eNewsletter para ler histórias inspiradoras de nossas famílias e aprenda como seu apoio ajuda as crianças a se curarem.

  •  
  • Erro

    Não foi possível recuperar seus dados devido a um erro.

  • close.png thank_you.png
    OBRIGADO POR INSCREVER-SE

    Estamos muito satisfeitos por você ter decidido se juntar à nossa família. Hoje, você se juntou a um movimento global que permite que as famílias se concentrem no que é mais importante - o filho doente - enquanto cuidamos do resto!

    Seus amigos na Ronald McDonald House Charities
     

    Inteligência Emocional como ferramenta de esperança

    Aprender a lidar com os próprios sentimentos não é algo que vem “de fábrica”. Muito pelo contrário, entre erros e acertos vamos aprendendo a controlar e, sobretudo, a aproveitá-los em nosso crescimento pessoal. O progresso que damos rumo a este aprendizado é conhecido como Inteligência Emocional.


    Em geral, ele começa a se desenvolver depois de alguma situação da vida que desperta fortes sentimentos. Crianças e adolescentes costumam enfrentar esse momento durante a fase escolar. O convívio com os colegas, as provas, os trabalhos em grupo ou a volta às aulas são exemplos de obstáculos e vitórias que experimentam.

    Seja na chegada em um colégio novo ou na volta às aulas, algumas sensações se fazem presentes; a ansiedade e a expectativa são algumas delas. O reencontro com os amigos, as novas matérias e os novos desafios de aprendizagem geram sentimentos que mexem com o imaginário.

    No entanto, nem sempre as coisas saem como esperado. É este resultado que requer cuidado e atenção.

    Inteligência Racional x Inteligência Emocional: aprendendo a equilibrar

    Não existe uma idade certa ou ideal para a inteligência emocional começar a ser aprendida. É importante entender que essa experiência não é como aprender a andar, comer ou falar um novo idioma; ela amadurece com o tempo, com as vivências e experiências de cada um.

    Um adolescente com câncer pode, durante o tratamento, viver uma explosão de sentimentos. Sejam eles o medo e a raiva ao saber da doença, a dor da perda ao ver companheiros de luta partindo e até mesmo a alegria e o orgulho pela notícia da cura.

    A montanha russa sentimental de um processo tão intenso quanto o tratamento do câncer pode gerar, especialmente para uma pessoa tão jovem, a compreensão sobre os próprios sentimentos que alguém com 50 anos ainda não aprendeu…

    Cada um tem sua própria vivência e aprende coisas diferentes com ela

    Estes tantos desafios naturais ao amadurecimento das crianças e adolescentes é duplamente afetado quando câncer é uma realidade. O emocional influencia toda sua vida: família, amigos, escola, namoro, sonhos.

    Neste cenário, o projeto Escola Móvel do GRAACC (Grupo de Apoio ao Adolescente e Criança com Câncer) cumpre um papel muito importante. Ele não atua apenas na manutenção do estudos durante o tratamento, mas dá-lhe a sensação de que existe uma vida que precisa ser mantida, afinal, a cura virá e será preciso seguir.

    Amália Covic, coordenadora do projeto, fala como cada professor cumpre o papel de amigo e apoiador nesse período:

    “Por isso damos aulas individuais, porque antes de tudo o professor percebe como está o emocional daquele aluno específico, para só então pensar qual didática aplicar, se vai tradicional, uma conversas, jogos, filmes… tudo pensado para se adaptar à realidade do paciente.”

    São percepções simples como essas que estimulam a luta, que dão forças e desenvolvem a inteligência emocional. Cada apoio no processo ajuda a inundar o coração de esperança para que todo paciente possa seguir em frente confiante em si e no seu futuro.

    Agora que você já leu sobre os desafios dos pequenos guerreiros que enfrentam essa luta, que tal conhecer a campanha do Setembro Dourado no nosso blog ou se informar mais sobre o bem-estar de crianças e adolescentes com câncer? Ela conscientiza milhares de pessoas sobre a importância do diagnóstico precoce para a redução do número de morte por câncer infanto juvenil.

    Leia mais no blog

    IRM Histórias

    • overlay

      Mariele Costa da Silva

      X

      A história de Mariele é muito especial, pois ela foi uma das primeiras crianças a usufruir da Casa Ronald McDonald Belém, uma casa de apoio feita com muito carinho para receber pacientes que chegam à capital do Pará para tratamento. Vale lembrar que, segundo dados do Inca (Instituto Nacional d... (Continuar lendo sobre Mariele Costa da Silva)

    • overlay

      Maria Vitória Gomes Ferreira

      X

      Maria Vitória tem apenas 11 anos, mas já passou por muita coisa na vida. Quando tinha apenas cinco aninhos foi diagnosticada com um tumor cerebral. Ela teve que mudar radicalmente sua rotina. Saiu do pequeno município de Rio Crespo, em Rondônia, no norte do país, para uma grande cidade com o... (Continuar lendo sobre Maria Vitória Gomes Ferreira)

    • overlay

      Ítalo Derick Cortez Paes

      X

      Quem vê um rapaz deste tamanho nem imagina que ele tem apenas 14 anos. O olhar e o sorriso são de um jovem que em breve estará livre do câncer! E olha só: já está até comemorando com o V da Vitória. Ítalo foi diagnosticado com leucemia mieloide aguda em 2017. Ele fez o tratamento lá em... (Continuar lendo sobre Ítalo Derick Cortez Paes)

    • overlay

      Wenddy Silva

      X

      Wenddy Silva, natural de Macapá, tem 6 anos e é portadora de Leucemia Linfocítica Aguda. É hóspede da Casa Ronald McDonald em Jahu há seis meses para realização de transplante de medula óssea no Hospital Amaral Carvalho. “Aqui na Casa Ronald McDonald eu adoro brincar na sala de recrea... (Continuar lendo sobre Wenddy Silva)

    • overlay

      GABRIELE LIMA

      X

      Gabriele de Lima tem 16 anos e é portadora de Osteosarcoma. Está em tratamento a 5 anos e hospedada na Casa Ronald McDonald ABC a 5 meses. A jovem adora os passeios que realiza na Casa, as atividades de artesanato e a interação com os voluntários. "Gostaria de agradecer a todos os colaboradore... (Continuar lendo sobre GABRIELE LIMA)

    • overlay

      RICK DEIVID

      X

      Rick Deivid Ferreira tem 12 anos e é portador de Leucemia. Está em tratamento há 10 meses. Torcedor do Vaso da Gama, Rick sonha em ser jogador de futebol.

      “Nesses 10 meses que eu venho para o hospital sempre fico aqui. No Espa... (Continuar lendo sobre RICK DEIVID)

    • overlay

      NATALI GOMES

      X

      Natali Gomes tem 23 anos, é ex-paciente e voluntária na Casa Ronald McDonald Moema na área de visitas. Um dos seus sonhos é ajudar voluntariamente crianças que vivem em orfanatos.

      "Recebi meu diagnóstico de aplasia de medula ... (Continuar lendo sobre NATALI GOMES)

    • overlay

      JULIA MORENO

      X

      Julia Moreno tem 8 anos e está em tratamento, por um período indeterminado, contra uma mielodisplasia e glicogenose hepática 1B. Desde novembro de 2014, Julia é hospede da Casa Ronald McDonald Campinas. Para sua Mãe, Milena Pereira, a experiência na Casa Ronald McDonald se resume a um excelen... (Continuar lendo sobre JULIA MORENO)

    • overlay

      FAMÍLIA AMORIM

      X

      Emocionante história de uma mulher guerreira, que com muita doçura lutou, batalhou e venceu o câncer da sua filha: uma menina de 7 anos, diagnosticada com câncer aos três. Em 2013, Michele e Renata, mãe e filha, foram as estrelas da campanha McDia Feliz. Para qualquer família, enfrentar um d... (Continuar lendo sobre FAMÍLIA AMORIM)

    • overlay

      FAMÍLIA NEVES

      X

      A história da Família Neves começou com a história de uma família comum: pai, mãe e dois filhos que viviam no bairro da Tijuca e levavam uma vida tradicional. Trabalho, escola, lazer no Tijuca Tênis Clube e futebol com a torcida pelo Vasco da Gama. Mas esta história começou a tomar um novo ... (Continuar lendo sobre FAMÍLIA NEVES)

    • overlay

      MARIANA BICALHO

      X

      Mariana Bicalho, hoje com 7 anos de idade, se recuperou totalmente após um ano e meio de tratamento contra um câncer renal. Moradora da cidade de Petrópolis, no Rio de Janeiro. Em 2010, quando tinha apenas dois anos de idade, Mariana desenvolveu um nefroblastoma, q... (Continuar lendo sobre MARIANA BICALHO)

    • overlay

      LAUDINE ROQUE

      X

      Em julho de 2005, quando a Laudine Roque tinha 13 anos, ela foi diagnosticada com Leucemia. O período principal do tratamento durou cerca de 4 meses no Hemorio. À época, Laudine residia no bairro da Tijuca, no Rio de Janeiro, próximo a Casa Ronald McDonald Rio de Janeiro, onde teve oportunidade ... (Continuar lendo sobre LAUDINE ROQUE)

    Conheça as

    Famílias

    FIQUE POR DENTRO DAS NOVIDADES

    Inscreva-se para receber todas as atualizações do Instituto Ronald McDonald