close.png

Newsletter SignUp

Inscreva-se no nosso eNewsletter para ler histórias inspiradoras de nossas famílias e aprenda como seu apoio ajuda as crianças a se curarem.

  •  
  • Erro

    Não foi possível recuperar seus dados devido a um erro.

  • close.png thank_you.png
    OBRIGADO POR INSCREVER-SE

    Estamos muito satisfeitos por você ter decidido se juntar à nossa família. Hoje, você se juntou a um movimento global que permite que as famílias se concentrem no que é mais importante - o filho doente - enquanto cuidamos do resto!

    Seus amigos na Ronald McDonald House Charities
     

    Osteossarcoma: saiba como ficar atento aos sinais e procurar ajuda

    Fomos acostumados a generalizar um tumor maligno pelo nome de câncer. Entretanto, câncer é o nome dado a um conjunto de doenças semelhantes e que são subdivididas de acordo com a região e células que afetam. Alguns tipos acabam sendo mais comuns que outros, é o caso do câncer de mama, de pulmão e o de pele. Mas você já ouviu falar sobre o osteossarcoma? Ele se apresenta de muitas formas e, neste post, vamos explicar alguns sintomas e os tratamentos disponíveis.

    Osteossarcoma é o nome a um tipo de tumor ósseo maligno. Ele acomete principalmente a extremidade de ossos longos, sendo mais frequente em adolescentes. A Dra. Teresa Fonseca, oncologista e membro do Conselho Científico do Instituto Ronald McDonald passou pra gente algumas informações.

    Como identificar a presença da doença?

    Normalmente, os sintomas estão associado à percepção física do nódulo, em braços e pernas, por exemplo. Os nódulos crescem durante meses até que passam a ser notados pelo tato. No caso de crianças e adolescentes é comum detectar a partir de um machucado ou trauma local. Porém, é justamente aqui que mora o perigo, pois frequentemente o problema é negligenciado e tratado com “frescura”. Além disso, os sintomas também podem ser confundidos com infecções, dores de crescimento ou machucados da infância.

    Por isso é tão importante ficar atento às queixas das crianças. A constância das dores pode dizer mais do que uma simples reclamação infantil. No caso do Osteossarcoma, o local mais comum é logo acima ou logo abaixo do joelho, cerca de 75% do casos ocorrem nos braços ou pernas. Normalmente a pele fica avermelhada e quente, e, de acordo com o crescimento do tumor, é possível notar um inchaço no local.

    O diagnóstico precoce e as chances de cura

    Como já dissemos, em muitos casos a doença é identificada pela presença perceptível a olho nu do tumor. Exames físicos e o histórico de saúde da família do paciente podem ajudar, mas de início os tumores podem ser indolores e apresentarem um crescimento muito rápido, sobretudo em crianças e adolescentes que estão em fase de desenvolvimento.  

    O diagnóstico definitivo da doença vem através de exames de imagem. São realizados exames como Raio X, ultrassonografia, tomografia e ressonância magnética do local seguida de biópsia especializada feita por um médico ortopedista. O diagnóstico precoce da doença aumenta as chances de cura em até 70%, um grande diferencial para paciente.

    O segundo passo é o tratamento imediato da doença com intuito de minimizar a possibilidade de migração, principalmente porque essa é a segunda categoria com maior frequência de metástase.

    Quais os tratamentos disponíveis?

    A abordagem do tratamento vai depender da avaliação médica e do estágio da doença. Podemos utilizar neste caso principalmente da quimioterapia e cirurgia. Esta criança necessita ser atendida em um centro especializado, para que possa realizar um diagnóstico preciso e uma conduta terapêutica adequada. É importante salientar que a abordagem do tratamento dependerá dos exames e da orientação da equipe médica da oncologia.

    Apesar de todo o estigma do câncer e a carga emocional que permeia o tratamento, as expectativas em relação ao bem-estar no paciente melhoraram muito. Hoje em dia os avanços da medicina reduziram de 60% para 10% o casos de amputação dos membros atingidos pela doença. Atualmente, esse recurso é utilizado apenas em casos de total comprometimento do membro ou da qualidade de vida do paciente

    Portanto, a combinação entre diagnóstico precoce e tratamento adequado proporciona uma evolução significativa em direção à superação da doença.

    Quer descobrir mais sobre como identificar a doença nos primeiros estágios e aumentar as chances de cura? Acesse nosso e-book e esclareça todas as suas dúvidas.

    Leia mais no blog

    IRM Histórias

    • overlay

      Mariele Costa da Silva

      X

      A história de Mariele é muito especial, pois ela foi uma das primeiras crianças a usufruir da Casa Ronald McDonald Belém, uma casa de apoio feita com muito carinho para receber pacientes que chegam à capital do Pará para tratamento. Vale lembrar que, segundo dados do Inca (Instituto Nacional d... (Continuar lendo sobre Mariele Costa da Silva)

    • overlay

      JULIA FARIA

      X

      Em 2008, Julia Moreno Faria, hoje com 13 anos (2021), foi diagnosticada com glicogenose hepática 1B. Em 2014, um novo diagnóstico: mielodisplasia. Julia, apesar de ser nascida no Rio de Janeiro, é hospede da Casa Ronald McDonald Campinas, no interior de São Paulo, e ainda continua seu tratamento... (Continuar lendo sobre JULIA FARIA)

    • overlay

      FAMÍLIA NEVES

      X

      A história da Família Neves começou com a história de uma família comum: pai, mãe e dois filhos que viviam no bairro da Tijuca e levavam uma vida tradicional. Trabalho, escola, lazer no Tijuca Tênis Clube e futebol com a torcida pelo Vasco da Gama. Mas esta história começou a tomar um novo ... (Continuar lendo sobre FAMÍLIA NEVES)

    • overlay

      Maria Vitória Gomes Ferreira

      X

      Maria Vitória tem apenas 11 anos, mas já passou por muita coisa na vida. Quando tinha apenas cinco aninhos foi diagnosticada com um tumor cerebral. Ela teve que mudar radicalmente sua rotina. Saiu do pequeno município de Rio Crespo, em Rondônia, no norte do país, para uma grande cidade com o... (Continuar lendo sobre Maria Vitória Gomes Ferreira)

    • overlay

      JUAN YURE

      X

      Da cidade de Fortaleza, no Ceará, Juan Yure Carneiro das Chagas, com apenas 12 anos (2021), já enfrentou obstáculos que poderiam desestruturar qualquer pessoa adulta. Depois de uma inocente brincadeira entre amigos, Juan, ainda com seis anos, descobriu uma alteração no osso femoral. A partir de... (Continuar lendo sobre JUAN YURE)

    • overlay

      MACISTER JUSTINO

      X

      Aos 17 anos, com um caderno de desenhos e lápis de cor nas mãos, Macister Junior Justino chegou na Casa Ronald McDonald Campinas, umas das sete unidades do Programa Casa Ronald McDonald em operação no Brasil. O jovem foi diagnosticado com Linfoma de Hodgkin – um câncer no sistema linfático -... (Continuar lendo sobre MACISTER JUSTINO)

    • overlay

      HELOISA GEMELLI

      X

      Em maio de 2017, aos 14 anos, Heloisa Gemelli, de Cascavel, no Paraná, foi diagnosticada com Linfoma de Hodgkin. Seu pai, Alessandro, médico, já havia sido capacitado pelo Programa Diagnóstico Precoce do Instituto Ronald McDonald (o Programa, em 10 anos, já capacitou mais de 26 mil profissionai... (Continuar lendo sobre HELOISA GEMELLI)

    • overlay

      OSCAR E ANA BEATRIZ

      X

      Ana Beatriz, 19, andava inquieta pelos corredores do Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo, em Belém - PA. Ela não gostava de ficar muito tempo no quarto. Internada para fazer exames relacionados ao Teratoma de Ovário, em 2017, quando conheceu a Vilma, que estava com o filho internado. Ele,... (Continuar lendo sobre OSCAR E ANA BEATRIZ)

    • overlay

      JUAN CARLOS

      X

      Em 2011, aos 10 anos, Juan Carlos de Araújo Moreira foi diagnosticado com câncer: 10 tumores malignos e uma metástase no pulmão. Hoje, aos 18 anos, ele está curado, é estudante de técnico de informática, está no seu primeiro emprego e tem o sonho de estudar fora do país. Juan mora em Campo... (Continuar lendo sobre JUAN CARLOS)

    • overlay

      Vicente e Antônio

      X

      "Eu falo para todo mundo que meu filho foi muito bem recebido na Casa Ronald McDonald Belém. É um lugar muito organizado, que nos recebeu de braços abertos. Estou muito feliz de estar aqui com ele". O relato emocionado é do Vicente Nascimento, pai do Antônio Márcio Nascimento, de 13 anos, q... (Continuar lendo sobre Vicente e Antônio)

    Conheça as

    Famílias

    FIQUE POR DENTRO DAS NOVIDADES

    Inscreva-se para receber todas as atualizações do Instituto Ronald McDonald