close.png

Newsletter SignUp

Inscreva-se no nosso eNewsletter para ler histórias inspiradoras de nossas famílias e aprenda como seu apoio ajuda as crianças a se curarem.

  •  
  • Erro

    Não foi possível recuperar seus dados devido a um erro.

  • close.png thank_you.png
    OBRIGADO POR INSCREVER-SE

    Estamos muito satisfeitos por você ter decidido se juntar à nossa família. Hoje, você se juntou a um movimento global que permite que as famílias se concentrem no que é mais importante - o filho doente - enquanto cuidamos do resto!

    Seus amigos na Ronald McDonald House Charities
     

    Trabalhando a autoestima com a arteterapia

    Estar frente a frente a um grande problema é desafiador em qualquer idade. Não importa, da infância à velhice, a vida será sempre um conjunto de sentimentos efusivos que tomam conta do coração e da mente. Principalmente nos momentos mais difíceis, quando é preciso reagir e lidar com as adversidades. Para lidar com tudo isso algumas metodologias alternativas de tratamento podem ser muito eficientes, é caso da arteterapia. 

    Pessoas que encaram uma doença como câncer acabam sentindo não só na saúde do corpo, como também na saúde emocional. Diante dessa condição, acaba sendo normal que a autoestima, a identidade, o ânimo, a confiança e a fé sejam afetados. Para muitas pessoas, a combinação de todos esses conflitos se torna um obstáculo difícil de superar. Nessas horas, procedimentos terapêuticos são ferramentas importantes, elas ajudam a compreender melhor tudo que está acontecendo dentro e fora de si mesmo. Umas dessas potentes ferramentas é a arte.

    Cultura como remédio

    Ao observar o comportamento de alguns pacientes, especialistas começaram a perceber que arte e cultura podem trazer muitas melhorias para a saúde. Um dos casos mais famosos do uso da arte como terapia foi retratado no filme “Nise: o coração da loucura”. A história conta a atuação de Nise da Silveira, uma médica que revolucionou a medicina psiquiátrica ao usar tratamentos não convencionais com internos do hospital onde trabalhava.

    Para pacientes com câncer não é diferente, sobretudo, com as crianças e adolescentes.Ter a arte como aliada para aliviar as dores e tensões das enfermidades tem funcionado para o bem-estar de toda a família que passa pelo tratamento.

    A metodologia na prática

    É comum que as pessoas enxerguem a arte e a cultura apenas como alternativa de lazer e entretenimento, mas a verdade é que ela pode ser muito mais. Nos hospitais e clínicas, sua aplicação é fundamentada em um planejamento efetivo e uma teoria baseada no estudo da psicologia. O resultado é uma metodologia empírica conhecida como arteterapia.

    Com um nome autoexplicativo, arteterapia usa da arte como uma intervenção complementar ao tratamento. As atividades empregadas dependem do histórico pessoal de cada integrante e também da abordagem do profissional. No geral, o primeiro passo é compreender as preferências e aptidões de cada pessoa, afinal, alguns pacientes gostam de trabalhar com artesanato, outros com desenho, outros com pintura. O cerne de toda a atividade está na capacidade fazer daquele momento um espaço de reflexão e autoconhecimento.

    Ultrapassando barreiras

    Estimular a criatividade e se conectar com uma atividade artística traz inúmeros benefícios para a saúde, sobretudo, a emocional. Por meio da arte é possível expressar sentimentos e emoções que, às vezes, são difíceis de traduzir em palavras. O próprio momento de produção da obra se torna um contato consigo mesmo, um instante de concentração e silêncio em que as ideias podem ser organizadas e desmistificadas antes de serem expostas. Por si só, isso já é extremamente terapêutico, já que muitas pessoas sentem dificuldades de sentar e conversar.

    Além disso, outro grande aspecto que é diretamente influenciado pela arteterapia é a autoestima. A partir do autoconhecimento muitas pessoas passam a desenvolver melhor suas habilidades e a trabalhar no que se gosta. Isso gera um sentimento de satisfação e entusiasmo que abre portas para que algumas transformações aconteçam como: 

    É por isso que muitos hospitais, principalmente os oncológicos, têm inserido a arteterapia no dia a dia dos pacientes como um complemento ao tratamento. Quer saber mais sobre metodologias alternativas de tratamento? Aqui no Blog já falamos sobre a terapia ocupacional e os benefícios para para oncologia infantil. Corre lá e aproveite essa leitura!

    Leia mais no blog

    IRM Histórias

    • overlay

      Mariele Costa da Silva

      X

      A história de Mariele é muito especial, pois ela foi uma das primeiras crianças a usufruir da Casa Ronald McDonald Belém, uma casa de apoio feita com muito carinho para receber pacientes que chegam à capital do Pará para tratamento. Vale lembrar que, segundo dados do Inca (Instituto Nacional d... (Continuar lendo sobre Mariele Costa da Silva)

    • overlay

      JULIA FARIA

      X

      Em 2008, Julia Moreno Faria, hoje com 13 anos (2021), foi diagnosticada com glicogenose hepática 1B. Em 2014, um novo diagnóstico: mielodisplasia. Julia, apesar de ser nascida no Rio de Janeiro, é hospede da Casa Ronald McDonald Campinas, no interior de São Paulo, e ainda continua seu tratamento... (Continuar lendo sobre JULIA FARIA)

    • overlay

      FAMÍLIA NEVES

      X

      A história da Família Neves começou com a história de uma família comum: pai, mãe e dois filhos que viviam no bairro da Tijuca e levavam uma vida tradicional. Trabalho, escola, lazer no Tijuca Tênis Clube e futebol com a torcida pelo Vasco da Gama. Mas esta história começou a tomar um novo ... (Continuar lendo sobre FAMÍLIA NEVES)

    • overlay

      Maria Vitória Gomes Ferreira

      X

      Maria Vitória tem apenas 11 anos, mas já passou por muita coisa na vida. Quando tinha apenas cinco aninhos foi diagnosticada com um tumor cerebral. Ela teve que mudar radicalmente sua rotina. Saiu do pequeno município de Rio Crespo, em Rondônia, no norte do país, para uma grande cidade com o... (Continuar lendo sobre Maria Vitória Gomes Ferreira)

    • overlay

      JUAN YURE

      X

      Da cidade de Fortaleza, no Ceará, Juan Yure Carneiro das Chagas, com apenas 12 anos (2021), já enfrentou obstáculos que poderiam desestruturar qualquer pessoa adulta. Depois de uma inocente brincadeira entre amigos, Juan, ainda com seis anos, descobriu uma alteração no osso femoral. A partir de... (Continuar lendo sobre JUAN YURE)

    • overlay

      MACISTER JUSTINO

      X

      Aos 17 anos, com um caderno de desenhos e lápis de cor nas mãos, Macister Junior Justino chegou na Casa Ronald McDonald Campinas, umas das sete unidades do Programa Casa Ronald McDonald em operação no Brasil. O jovem foi diagnosticado com Linfoma de Hodgkin – um câncer no sistema linfático -... (Continuar lendo sobre MACISTER JUSTINO)

    • overlay

      HELOISA GEMELLI

      X

      Em maio de 2017, aos 14 anos, Heloisa Gemelli, de Cascavel, no Paraná, foi diagnosticada com Linfoma de Hodgkin. Seu pai, Alessandro, médico, já havia sido capacitado pelo Programa Diagnóstico Precoce do Instituto Ronald McDonald (o Programa, em 10 anos, já capacitou mais de 26 mil profissionai... (Continuar lendo sobre HELOISA GEMELLI)

    • overlay

      OSCAR E ANA BEATRIZ

      X

      Ana Beatriz, 19, andava inquieta pelos corredores do Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo, em Belém - PA. Ela não gostava de ficar muito tempo no quarto. Internada para fazer exames relacionados ao Teratoma de Ovário, em 2017, quando conheceu a Vilma, que estava com o filho internado. Ele,... (Continuar lendo sobre OSCAR E ANA BEATRIZ)

    • overlay

      JUAN CARLOS

      X

      Em 2011, aos 10 anos, Juan Carlos de Araújo Moreira foi diagnosticado com câncer: 10 tumores malignos e uma metástase no pulmão. Hoje, aos 18 anos, ele está curado, é estudante de técnico de informática, está no seu primeiro emprego e tem o sonho de estudar fora do país. Juan mora em Campo... (Continuar lendo sobre JUAN CARLOS)

    • overlay

      Vicente e Antônio

      X

      "Eu falo para todo mundo que meu filho foi muito bem recebido na Casa Ronald McDonald Belém. É um lugar muito organizado, que nos recebeu de braços abertos. Estou muito feliz de estar aqui com ele". O relato emocionado é do Vicente Nascimento, pai do Antônio Márcio Nascimento, de 13 anos, q... (Continuar lendo sobre Vicente e Antônio)

    Conheça as

    Famílias

    FIQUE POR DENTRO DAS NOVIDADES

    Inscreva-se para receber todas as atualizações do Instituto Ronald McDonald