close.png

Newsletter SignUp

Inscreva-se no nosso eNewsletter para ler histórias inspiradoras de nossas famílias e aprenda como seu apoio ajuda as crianças a se curarem.

  •  
  • Erro

    Não foi possível recuperar seus dados devido a um erro.

  • close.png thank_you.png
    OBRIGADO POR INSCREVER-SE

    Estamos muito satisfeitos por você ter decidido se juntar à nossa família. Hoje, você se juntou a um movimento global que permite que as famílias se concentrem no que é mais importante - o filho doente - enquanto cuidamos do resto!

    Seus amigos na Ronald McDonald House Charities
     

    Tudo sobre o bem-estar de crianças e adolescentes com câncer

    Na vida, a busca por equilíbrio passa pela solidariedade e pelo cuidado com o outro. Muitas vezes não nos damos conta do quanto ser bondoso faz bem, especialmente quando estamos lidando com crianças e adolescentes com câncer.

    Nos últimos anos, tenho percebido que agir de forma altruísta traz resultados concretos — e até instantâneos — para nossa saúde física, mental e emocional; benefícios que todos deveriam experimentar. É pensando no bem-estar mental e emocional que trabalhamos esse guia. Boa leitura!

    O primeiro amor sempre tem que ser o próprio

    Como mães, pais, irmãos, irmãs, primos e primas, queremos sempre ajudar quando algum familiar precisa de ajuda. Descobrir o câncer de alguém próximo não é fácil e exige muito de nós. Afinal, não podemos despencar, certo? Sentimos constantemente a necessidade de sermos fortes para e pelo o outro.

    Acontece que é impossível ser forte por outra pessoa. Se a nossa própria força vem de nós mesmos, como podemos esperar que ela magicamente vá para outra pessoa? Podemos, entretanto, estar presentes para o outro. E o primeiro passo para isso tem nome: autoestima.

    Segundo o dicionário, autoestima é a qualidade de quem se valoriza, se contenta com seu modo de ser e demonstra, consequentemente, confiança em seus atos e julgamentos. Entende por que ela é importante mesmo em momentos que parece que deve ficar em segundo plano? É preciso confiança em si mesmo para dar os passos necessários em busca da cura.

    Não à toa, autoestima é um conceito que está muito ligado ao de superação. A rotina de uma criança ou adolescente com câncer exige mudanças, famílias devem se reestruturar a fim de que o dia a dia comporte os tratamentos e a espera.

    O saldo não poderia ser outro: todos mais unidos do que nunca. Colorir a autoestima é um papel muito gostoso quando coloca um sorriso nos nossos lábios e faz o amor pelo outro transbordar. Não existe força maior que essa.

    Os primeiros passos após a descoberta do câncer

    Náuseas constantes, vômito, febre alta são alguns dos sintomas do câncer infantojuvenil. Parece muito com o de outros tipos de doenças, não é? Por isso é extremamente importante levar seu filho ao médico em qualquer um desses sinais.

    Nesse momento, o desespero não ajuda em nada. Respire fundo e não deixe o peso da preocupação te colocar para baixo. É claro que os sintomas podem ser característicos de uma virose, mas o encaminhamento para um oncologista não significa que algo ruim vai acontecer. Lembre-se: este tipo de câncer tem até 80% chance de cura quando diagnosticado precocemente!

    Nós temos um ebook sobre o assunto que pode te ajudar nesse momento. E, se a confirmação de câncer vier, não se preocupe se as palavras não parecerem suficientes. Você não precisa ter a frase de conforto perfeita para deixar tudo ficar bem.

    Sabe quando um abraço pode falar mais que mil palavras? Talvez este seja o caso, junto à presença, amor e ao carinho. Claro que algumas coisas, todavia, não devem ser ditas para quem está enfrentando esse desafio: cuidado especial com os elogios sem maldade, eles podem não soar bem para o outro. Até porque os próprios pacientes têm seus questionamentos internos.

    A queda de cabelo, por exemplo, é resultado do tratamento com quimioterapia e qualquer comentário a seu respeito mais marca uma diferença que vale como elogio. Esse fator afeta tanto a autoestima que doar cabelo é um ato simples que pode fazer toda a diferença na vida de uma adolescente.

    bem-estar de crianças e adolescentes com câncer

    A melhor forma de ajudar é estar junto

    Se esta descoberta é difícil para os pais, imagine só para os filhos: uma série de situações e mudanças acontecendo sem que eles entendam exatamente o motivo disso. Para um adolescente, já acostumado com a rotina de escola, estudo e amigos, esse choque pode ser ainda maior. Como lidar com isso?

    Por mais que o instinto faça você querer controlar toda a situação, entenda que controle sobre o outro é apenas uma ilusão. Temos toda a liberdade para definir como falamos e agimos, compreender nossas reações e respeitar quando precisamos de um espaço. Para adolescentes este tratamento não deve mudar.

    Ajudar um adolescente com câncer é entender que liberdade, espaço e dúvidas são naturais. É preciso estar presente sem se tornar excessivo. A maior dica para isso é: confie em si mesmo, no seu filho e tratamento.

    E, claro, vale sempre dar aquela checada na alimentação. Especialmente durante o tratamento, é muito importante ficar atento aos tipos de alimentos ingeridos. Hospitais como o GRAACC e casas de apoio como a Casa Ronald McDonald possuem toda a estrutura para manter os nutrientes em dia, mas esse esforço precisa ser de todos.

    A maternidade é um ciclo de muitos aprendizados e auto conhecimento, por isso, é sempre bom levar em consideração que tudo é uma experiência única. É era muito comum que as mães fossem ajudadas pelas mães e avós, porém com a correria do dia a dia as mulheres tem estado cada vez mais independentes.

    Com as constantes mudanças do mundo, as mães estão cada vez mais reinventando suas redes de apoio. E com o avanço da tecnologia, surgiram novos jeitos de lidar com a maternidade como a criação de aplicativos para ajudar jornada que é ser mãe, sem deixar de lado seus objetivos.

    Aliás, maternidade é uma experiência, sem dúvida, bastante feminina. No dia 8 de Março, é inevitável não prestigiar a força que reverbera de uma mãe.

    Milhares de histórias de mulheres/mães cruzam o caminho do Instituto todos os dias  através dos projetos apoiados por eles, e esses cruzamentos normalmente são nos momentos que elas experimentam sua maior força e coragem.

    Nestes períodos, elas contam também com a sororidade de umas com as outras para passar por essa época difícil de suas vidas e recebem ajuda daqueles que sabem que a rotina de uma mãe é sem dúvida uma das mais atarefadas que existem.

    A maternidade é um caminho de muito aprendizado e autoconhecimento. Por isso, é preciso reinventar redes de apoio e somar tecnologia e empoderamento feminino para alcançar novos objetivos. Por isso surgiram ferramentas tecnológicas que colaboram com esta caminhada.

    A mulher já não é mais a mesma, consequentemente a maternidade também não é. De uns anos pra cá, as mulheres têm reivindicado um novo olhar sobre o feminino. . Ser mulher, agora, não deve ser mais sinônimo de destino traçado, padrão estabelecido ou comportamento submisso.

    Períodos como a Páscoa é uma chance de estar ao lado das pessoas mais especiais e se fortalecer em família, reacender a fé na vida e acreditar em um novo amanhecer.

    É muito comum a gente simplificar o tratamento de uma doença à atuação de um único profissional: o médico. Aqueles a quem recorremos para prescrever exames, remédios e terapias. Entretanto, muitas intervenções dependem de uma equipe multidisciplinar para o sucesso do tratamento. O câncer, por exemplo, é uma dessas doenças que precisam de metodologias integrais para a melhora dos pacientes. Em geral, essas equipes são formadas por psicólogos, psiquiatras, assistentes sociais, fisioterapeutas, enfermeiros e também os terapeutas ocupacionais.

    As melhores atividades para fazer com companhia

    Podemos estar presentes na vida dessas crianças e adolescentes de duas formas. Uma delas é o esperado acompanhamento aos médicos e tratamentos — a presença física nas maiores dificuldades passa segurança e conforto aos pequenos.

    A outra é separar atividades simples, mas dinâmicas e interessantes para brincar com toda a família. Dá uma olhada nessa nossa lista de sugestões:

    bem-estar de crianças e adolescentes com câncer

    A arte do otimismo e pé direito

    Em momentos de maior ansiedade, é muito importante manter o otimismo em dia. Precisamos acreditar que as coisas podem e tendem a melhorar para não entrar em um ciclo negativo que não ajuda nem a nós mesmos, nem a ninguém.

    Estudiosos defendem que é justamente nessas horas que desenvolvemos a nossa inteligência emocional, ou seja, aprimoramos nossa capacidade de identificar e lidar com sentimentos negativos. Quando bem desenvolvida, ela permite que nos recuperemos mais rápido de notícias ruins e consigamos tomar a iniciativa de tomar melhores decisões.

    Esse conceito pode ser muito bem aplicado ao sentimento de saudade, por exemplo. Quando uma família precisa se mudar para realizar um tratamento, a Casa Ronald McDonald abriga a criança ou o adolescente e um responsável. O coração com certeza aperta com a mudança, mas, sabendo que é temporária, há formas mais fáceis de lidar com ela.

    Considerando que é justamente quando pequenas que crianças aprendem e desenvolvem os melhores hábitos, este se mostra como um momento especialmente oportuno para preparar seu filho para outros desafios da vida.

    Independentemente da época do ano e da fase em que estiver, lembre-se sempre de respirar fundo e se manter otimista. Criar metas pode ser uma forma de dividir os problemas grandes em menores e resolvê-los pouco a pouco, com menos estresse.

    Leia mais no blog

    IRM Histórias

    • overlay

      Mariele Costa da Silva

      X

      A história de Mariele é muito especial, pois ela foi uma das primeiras crianças a usufruir da Casa Ronald McDonald Belém, uma casa de apoio feita com muito carinho para receber pacientes que chegam à capital do Pará para tratamento. Vale lembrar que, segundo dados do Inca (Instituto Nacional d... (Continuar lendo sobre Mariele Costa da Silva)

    • overlay

      JULIA FARIA

      X

      Em 2008, Julia Moreno Faria, hoje com 13 anos (2021), foi diagnosticada com glicogenose hepática 1B. Em 2014, um novo diagnóstico: mielodisplasia. Julia, apesar de ser nascida no Rio de Janeiro, é hospede da Casa Ronald McDonald Campinas, no interior de São Paulo, e ainda continua seu tratamento... (Continuar lendo sobre JULIA FARIA)

    • overlay

      FAMÍLIA NEVES

      X

      A história da Família Neves começou com a história de uma família comum: pai, mãe e dois filhos que viviam no bairro da Tijuca e levavam uma vida tradicional. Trabalho, escola, lazer no Tijuca Tênis Clube e futebol com a torcida pelo Vasco da Gama. Mas esta história começou a tomar um novo ... (Continuar lendo sobre FAMÍLIA NEVES)

    • overlay

      Maria Vitória Gomes Ferreira

      X

      Maria Vitória tem apenas 11 anos, mas já passou por muita coisa na vida. Quando tinha apenas cinco aninhos foi diagnosticada com um tumor cerebral. Ela teve que mudar radicalmente sua rotina. Saiu do pequeno município de Rio Crespo, em Rondônia, no norte do país, para uma grande cidade com o... (Continuar lendo sobre Maria Vitória Gomes Ferreira)

    • overlay

      JUAN YURE

      X

      Da cidade de Fortaleza, no Ceará, Juan Yure Carneiro das Chagas, com apenas 12 anos, já enfrentou obstáculos que poderiam desestruturar qualquer pessoa adulta. Depois de uma inocente brincadeira entre amigos, Juan descobriu uma alteração no osso femoral. A partir dessa constatação, ele foi di... (Continuar lendo sobre JUAN YURE)

    • overlay

      MACISTER JUSTINO

      X

      Aos 17 anos, com um caderno de desenhos e lápis de cor nas mãos, Macister Junior Justino chegou na Casa Ronald McDonald Campinas, umas das sete unidades do Programa Casa Ronald McDonald em operação no Brasil. O jovem foi diagnosticado com Linfoma de Hodgkin – um câncer no sistema linfático -... (Continuar lendo sobre MACISTER JUSTINO)

    • overlay

      HELOISA GEMELLI

      X

      Em maio de 2017, aos 14 anos, Heloisa Gemelli, de Cascavel, no Paraná, foi diagnosticada com Linfoma de Hodgkin. Seu pai, Alessandro, médico, já havia sido capacitado pelo Programa Diagnóstico Precoce do Instituto Ronald McDonald (o Programa, em 10 anos, já capacitou mais de 26 mil profissionai... (Continuar lendo sobre HELOISA GEMELLI)

    • overlay

      OSCAR E ANA BEATRIZ

      X

      Ana Beatriz, 19, andava inquieta pelos corredores do Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo, em Belém - PA. Ela não gostava de ficar muito tempo no quarto. Internada para fazer exames relacionados ao Teratoma de Ovário, em 2017, quando conheceu a Vilma, que estava com o filho internado. Ele,... (Continuar lendo sobre OSCAR E ANA BEATRIZ)

    • overlay

      JUAN CARLOS

      X

      Em 2011, aos 10 anos, Juan Carlos de Araújo Moreira foi diagnosticado com câncer: 10 tumores malignos e uma metástase no pulmão. Hoje, aos 18 anos, ele está curado, é estudante de técnico de informática, está no seu primeiro emprego e tem o sonho de estudar fora do país. Juan mora em Campo... (Continuar lendo sobre JUAN CARLOS)

    • overlay

      Vicente e Antônio

      X

      "Eu falo para todo mundo que meu filho foi muito bem recebido na Casa Ronald McDonald Belém. É um lugar muito organizado, que nos recebeu de braços abertos. Estou muito feliz de estar aqui com ele". O relato emocionado é do Vicente Nascimento, pai do Antônio Márcio Nascimento, de 13 anos, q... (Continuar lendo sobre Vicente e Antônio)

    Conheça as

    Famílias

    FIQUE POR DENTRO DAS NOVIDADES

    Inscreva-se para receber todas as atualizações do Instituto Ronald McDonald