close.png

Newsletter SignUp

Inscreva-se no nosso eNewsletter para ler histórias inspiradoras de nossas famílias e aprenda como seu apoio ajuda as crianças a se curarem.

  •  
  • Erro

    Não foi possível recuperar seus dados devido a um erro.

  • close.png thank_you.png
    OBRIGADO POR INSCREVER-SE

    Estamos muito satisfeitos por você ter decidido se juntar à nossa família. Hoje, você se juntou a um movimento global que permite que as famílias se concentrem no que é mais importante - o filho doente - enquanto cuidamos do resto!

    Seus amigos na Ronald McDonald House Charities
     

    Como ajudar um adolescente com câncer

    A época da faculdade é muuito legal, mas o primeiro gosto da liberdade é na adolescência. E é por isso que descobrir o câncer nesta fase pode ser especialmente confuso.


    Minha adolescência foi “ontem”, então quando eu conheci os adolescentes com câncer do GRAACC (Grupo de Apoio ao Adolescente e à Criança com Câncer), em São Paulo, lembrei quantas coisas acabam sendo adiadas… Eles vivem rotinas difíceis muitas vezes seguindo à risca restrições médicas.

    Já imaginou como deve ser encarar um desafio como o câncer no meio dessa fase de descobertas?

    Como ajudar um adolescente com câncer

    Conversando com a Dra. Carla Macedo, especialista em oncologia pediátrica e responsável pelos adolescentes no GRAACC, fiquei sabendo o que muda quando o papo é com eles.

    Não há mudança de tratamento, o protocolo de atendimento médico é para a doença, mas existe uma diferença no jeito de cuidar. Imagine só descobrir uma doença como o câncer em uma fase com tantos questionamentos? Fica uma bagunça na cabeça. É preciso acolher com muita paciência e tentar dar todas as respostas que eles precisarem.”

    #FicaDica!

    Sabendo  disso, trouxe algumas informações que podem ajudar a fazer esse caminho um pouco mais fácil.

    Liberdade é um sonho!

    Na adolescência a gente aprende a andar com as próprias pernas. Só queremos sair com os amigos, namorar e conhecer coisas novas. Quando esse processo é atropelado pela notícia do câncer é natural que toda a família queira estar mais perto mas nessa fase os adolescentes buscam firmar sua própria identidade.

    Eles estão doidos por independência e espaço. Ou seja, mostre que a família está sempre ali, mas deixe que fiquem sozinhos também.

    Dúvidas são naturais

    Sabe quando a gente corre pro Google para pesquisar sobre uma dor de barriga, dor de cabeça, dor no braço… e aí a Internet dá milhares de respostas, das mais absurdas às mais inovadoras? Os adolescentes fazem isso pra tudo em todo momento. É normal da fase que vivem. Por isso, eles vão perguntar e querer saber o que está acontecendo, responder com atenção ajuda no processo de aceitação da doença.

    As mídias sociais são muito importantes para o adolescente. Dar liberdade para eles perguntarem sobre o que eles pesquisaram e leram na internet é fundamental. O diálogo sincero com esses pacientes é essencial.”  – Carla Macedo, oncologista pediátrica.

    Ninguém é feliz sozinho!

    A amizade é tudo nesta fase da vida, ainda mais quando se enfrenta um câncer. Ajude a manter os amigos por perto. Faça o maior esforço possível para que a rotina não seja totalmente alterada. Amigos, lazer e colégio são partes importantes do crescimento de um adolescente. Procure por projetos como o Escola Móvel, profissionais da educação podem ser uma ponte para a manter a rotina escolar e os amigos.

    Enfrentar um câncer é uma batalha muito dura e às vezes alguns guerreiros as enfrentam muito cedo. Experimente relembrar sua juventude e tente pensar como seria se, de repente, tudo fosse interrompido…

    A empatia é uma ferramenta muito poderosa! Saiba como usá-la a seu favor no post sobre bem-estar de crianças e adolescentes com câncer.

    Leia mais no blog

    IRM Histórias

    • overlay

      Mariele Costa da Silva

      X

      A história de Mariele é muito especial, pois ela foi uma das primeiras crianças a usufruir da Casa Ronald McDonald Belém, uma casa de apoio feita com muito carinho para receber pacientes que chegam à capital do Pará para tratamento. Vale lembrar que, segundo dados do Inca (Instituto Nacional d... (Continuar lendo sobre Mariele Costa da Silva)

    • overlay

      JULIA MORENO FARIA

      X

      Em 2008, Julia Moreno Faria, hoje com 13 anos (2021), foi diagnóstica com glicogenose hepática 1B. Em 2014, um novo diagnóstico: mielodisplasia. Julia, apesar de ser nascida no Rio de Janeiro, é hospede da Casa Ronald McDonald Campinas, no interior de São Paulo, e ainda continua seu tratamento ... (Continuar lendo sobre JULIA MORENO FARIA)

    • overlay

      FAMÍLIA NEVES

      X

      A história da Família Neves começou com a história de uma família comum: pai, mãe e dois filhos que viviam no bairro da Tijuca e levavam uma vida tradicional. Trabalho, escola, lazer no Tijuca Tênis Clube e futebol com a torcida pelo Vasco da Gama. Mas esta história começou a tomar um novo ... (Continuar lendo sobre FAMÍLIA NEVES)

    • overlay

      Maria Vitória Gomes Ferreira

      X

      Maria Vitória tem apenas 11 anos, mas já passou por muita coisa na vida. Quando tinha apenas cinco aninhos foi diagnosticada com um tumor cerebral. Ela teve que mudar radicalmente sua rotina. Saiu do pequeno município de Rio Crespo, em Rondônia, no norte do país, para uma grande cidade com o... (Continuar lendo sobre Maria Vitória Gomes Ferreira)

    • overlay

      JUAN YURE

      X

      Da cidade de Fortaleza, no Ceará, Juan Yure Carneiro das Chagas, com apenas 12 anos, já enfrentou obstáculos que poderiam desestruturar qualquer pessoa adulta. Depois de uma inocente brincadeira entre amigos, Juan descobriu uma alteração no osso femoral. A partir dessa constatação, ele foi di... (Continuar lendo sobre JUAN YURE)

    • overlay

      MACISTER JUSTINO

      X

      Aos 17 anos, com um caderno de desenhos e lápis de cor nas mãos, Macister Junior Justino chegou na Casa Ronald McDonald Campinas, umas das sete unidades do Programa Casa Ronald McDonald em operação no Brasil. O jovem foi diagnóstico com Linfoma de Hodgkin – um câncer no sistema linfático - ... (Continuar lendo sobre MACISTER JUSTINO)

    • overlay

      HELOISA GEMELLI

      X

      Em maio de 2017, aos 14 anos, Heloisa Gemelli, de Cascavel, no Paraná, foi diagnosticada com Linfoma de Hodgkin. Seu pai, Alessandro, médico, já havia sido capacitado pelo Programa Diagnóstico Precoce do Instituto Ronald McDonald (o Programa, em 10 anos, já capacitou mais de 26 mil profissionai... (Continuar lendo sobre HELOISA GEMELLI)

    • overlay

      OSCAR E ANA BEATRIZ

      X

      Ana Beatriz, 19, andava inquieta pelos corredores do Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo, em Belém - PA. Ela não gostava de ficar muito tempo no quarto. Internada para fazer exames relacionados ao Teratoma de Ovário, em 2017, quando conheceu a Vilma, que estava com o filho internado. Ele,... (Continuar lendo sobre OSCAR E ANA BEATRIZ)

    • overlay

      JUAN CARLOS

      X

      Em 2011, aos 10 anos, Juan Carlos de Araújo Moreira foi diagnosticado com câncer: 10 tumores malignos e uma metástase no pulmão. Hoje, aos 18 anos, ele está curado, é estudante de técnico de informática, está no seu primeiro emprego e tem o sonho de estudar fora do país. Juan mora em Campo... (Continuar lendo sobre JUAN CARLOS)

    Conheça as

    Famílias

    FIQUE POR DENTRO DAS NOVIDADES

    Inscreva-se para receber todas as atualizações do Instituto Ronald McDonald