close.png

Newsletter SignUp

Inscreva-se no nosso eNewsletter para ler histórias inspiradoras de nossas famílias e aprenda como seu apoio ajuda as crianças a se curarem.

  •  
  • Erro

    Não foi possível recuperar seus dados devido a um erro.

  • close.png thank_you.png
    OBRIGADO POR INSCREVER-SE

    Estamos muito satisfeitos por você ter decidido se juntar à nossa família. Hoje, você se juntou a um movimento global que permite que as famílias se concentrem no que é mais importante - o filho doente - enquanto cuidamos do resto!

    Seus amigos na Ronald McDonald House Charities
     

    Joyce Andrade e seu conjunto excepcional de experiências

    Foi numa dessas tardes de domingo que conheci Joyce. Ela me recebeu na Casa Ronald McDonald São Paulo/Moema. Eu, como sempre, fui resgatar minha forças me contagiando com a energia potente e colorida daquela casa. Já no portão eu recebi o que precisava: o sorriso de Joyce me convidando a entrar.


    Sempre imaginei que as casas de apoio fossem lugares de muita tristeza. Nunca errei tanto em minha vida. A Casa Ronald McDonald, apoiada pelo Instituto Ronald McDonald, é uma fonte de alegria e positividade. Aqueles lugares que te ensinam a olhar a vida com um pouco menos de rancor. Sabe?

    Todos lá estão travando uma guerra, mas também têm uma gratidão imensa pela vida. E não tem nada mais forte do que a gratidão.

    A Joyce é a personificação desse sentimento. Sua história cruzou com a causa do câncer após a perda de Heloísa, como ela mesma define, “eu tenho o privilégio de ser mãe de um anjo de verdade”.

    Transformando dor em força

    Há 12 anos, Joyce enfrentou exatamente a mesma batalha que todas as mães hospedadas ali na casa enfrentam. Sua filha de 9 anos foi diagnosticada com câncer. Naquela época, o conhecimento sobre a doença ainda era muito restrito e o tumor na medula de Heloísa foi considerado benigno.

    “Hoje eu sei que ela poderia ter recebido outro tratamento e cuidado de forma diferente, o avanço da medicina faria muita diferença”.

    Atualmente, as chances de cura do câncer infantojuvenil chegam até a 80%. A evolução da medicina e a ampliação do Diagnóstico Precoce mudou todo o cenário da doença desde que Heloísa foi diagnosticada.

    Foi através dos médicos do GRAACC que Joyce chegou até a Casa de Moema. Depois da partida de Heloísa, ela decidiu doar as roupas, sapatos e brinquedos da filha para a Casa.

    De lá para cá, foi se aproximando do voluntariado na Casa Ronald McDonald. Foi devagarinho, uma visita esporádica, um domingo brincando com as crianças, uma participação especial nos eventos. Hoje, ela é coordenadora de voluntariado.

    “Durante 8 anos eu fiz algumas visitas, fiz a inscrição por 3 vezes, mas acabei não sendo chamada. Acredito que tudo aconteceu na hora certa. No início de 2017, assumi como voluntária, as coisas foram acontecendo e hoje sou coordenadora de voluntariado.”

    Antes de ser voluntário, é trabalho!

    A relação de Joyce com a Casa foi ganhando cada vez mais espaço no seu coração. A dor e a saudade continuam ali, junto com esperança e cuidado. Joyce reconhece a própria história na luta das mulheres que passam pela Casa. Por isso, uniu sua própria trajetória com suas habilidades profissionais e, agora, ajuda outras mães a vencerem o desafio do câncer.

    “Eu comecei brincando, hoje sou coordenadora. Na minha vida profissional eu estou acostumada a fazer gestão de pessoas, então tomei para mim a responsabilidade e levo com compromisso e trabalho minha função aqui.”

    Para Joyce, o trabalho voluntário é um conjunto de experiências que precisam sair do campo das ideias e virar vivência.

    “A gente tem que ter as vivências, não ficar só no ‘e se eu isso’, ‘se eu aquilo’….a gente acha que o voluntário está doando, mentira, a gente ganha muito mais do que doa. É preciso experimentar. Então, se está na dúvida, venha conhecer, venha participar!”

    E aí, que tal aproveitar o clima de solidariedade do Natal para fazer sua ideia de ser voluntário virar realidade?

    Leia mais no blog

    IRM Histórias

    • overlay

      Mariele Costa da Silva

      X

      A história de Mariele é muito especial, pois ela foi uma das primeiras crianças a usufruir da Casa Ronald McDonald Belém, uma casa de apoio feita com muito carinho para receber pacientes que chegam à capital do Pará para tratamento. Vale lembrar que, segundo dados do Inca (Instituto Nacional d... (Continuar lendo sobre Mariele Costa da Silva)

    • overlay

      JULIA FARIA

      X

      Em 2008, Julia Moreno Faria, hoje com 13 anos (2021), foi diagnosticada com glicogenose hepática 1B. Em 2014, um novo diagnóstico: mielodisplasia. Julia, apesar de ser nascida no Rio de Janeiro, é hospede da Casa Ronald McDonald Campinas, no interior de São Paulo, e ainda continua seu tratamento... (Continuar lendo sobre JULIA FARIA)

    • overlay

      FAMÍLIA NEVES

      X

      A história da Família Neves começou com a história de uma família comum: pai, mãe e dois filhos que viviam no bairro da Tijuca e levavam uma vida tradicional. Trabalho, escola, lazer no Tijuca Tênis Clube e futebol com a torcida pelo Vasco da Gama. Mas esta história começou a tomar um novo ... (Continuar lendo sobre FAMÍLIA NEVES)

    • overlay

      Maria Vitória Gomes Ferreira

      X

      Maria Vitória tem apenas 11 anos, mas já passou por muita coisa na vida. Quando tinha apenas cinco aninhos foi diagnosticada com um tumor cerebral. Ela teve que mudar radicalmente sua rotina. Saiu do pequeno município de Rio Crespo, em Rondônia, no norte do país, para uma grande cidade com o... (Continuar lendo sobre Maria Vitória Gomes Ferreira)

    • overlay

      JUAN YURE

      X

      Da cidade de Fortaleza, no Ceará, Juan Yure Carneiro das Chagas, com apenas 12 anos, já enfrentou obstáculos que poderiam desestruturar qualquer pessoa adulta. Depois de uma inocente brincadeira entre amigos, Juan descobriu uma alteração no osso femoral. A partir dessa constatação, ele foi di... (Continuar lendo sobre JUAN YURE)

    • overlay

      MACISTER JUSTINO

      X

      Aos 17 anos, com um caderno de desenhos e lápis de cor nas mãos, Macister Junior Justino chegou na Casa Ronald McDonald Campinas, umas das sete unidades do Programa Casa Ronald McDonald em operação no Brasil. O jovem foi diagnosticado com Linfoma de Hodgkin – um câncer no sistema linfático -... (Continuar lendo sobre MACISTER JUSTINO)

    • overlay

      HELOISA GEMELLI

      X

      Em maio de 2017, aos 14 anos, Heloisa Gemelli, de Cascavel, no Paraná, foi diagnosticada com Linfoma de Hodgkin. Seu pai, Alessandro, médico, já havia sido capacitado pelo Programa Diagnóstico Precoce do Instituto Ronald McDonald (o Programa, em 10 anos, já capacitou mais de 26 mil profissionai... (Continuar lendo sobre HELOISA GEMELLI)

    • overlay

      OSCAR E ANA BEATRIZ

      X

      Ana Beatriz, 19, andava inquieta pelos corredores do Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo, em Belém - PA. Ela não gostava de ficar muito tempo no quarto. Internada para fazer exames relacionados ao Teratoma de Ovário, em 2017, quando conheceu a Vilma, que estava com o filho internado. Ele,... (Continuar lendo sobre OSCAR E ANA BEATRIZ)

    • overlay

      JUAN CARLOS

      X

      Em 2011, aos 10 anos, Juan Carlos de Araújo Moreira foi diagnosticado com câncer: 10 tumores malignos e uma metástase no pulmão. Hoje, aos 18 anos, ele está curado, é estudante de técnico de informática, está no seu primeiro emprego e tem o sonho de estudar fora do país. Juan mora em Campo... (Continuar lendo sobre JUAN CARLOS)

    • overlay

      Vicente e Antônio

      X

      "Eu falo para todo mundo que meu filho foi muito bem recebido na Casa Ronald McDonald Belém. É um lugar muito organizado, que nos recebeu de braços abertos. Estou muito feliz de estar aqui com ele". O relato emocionado é do Vicente Nascimento, pai do Antônio Márcio Nascimento, de 13 anos, q... (Continuar lendo sobre Vicente e Antônio)

    Conheça as

    Famílias

    FIQUE POR DENTRO DAS NOVIDADES

    Inscreva-se para receber todas as atualizações do Instituto Ronald McDonald