close.png

Newsletter SignUp

Inscreva-se no nosso eNewsletter para ler histórias inspiradoras de nossas famílias e aprenda como seu apoio ajuda as crianças a se curarem.

  •  
  • Erro

    Não foi possível recuperar seus dados devido a um erro.

  • close.png thank_you.png
    OBRIGADO POR INSCREVER-SE

    Estamos muito satisfeitos por você ter decidido se juntar à nossa família. Hoje, você se juntou a um movimento global que permite que as famílias se concentrem no que é mais importante - o filho doente - enquanto cuidamos do resto!

    Seus amigos na Ronald McDonald House Charities
     

    O que não dizer para uma pessoa com câncer

    Mesmo com os esforços das instituições em saúde oncológica para desmistificar o câncer, infelizmente, seu diagnóstico é uma realidade delicada para grande parte das pessoas. Por acaso você é dessas pessoas que nunca sabe o que falar neste momento? Este post é para você.


    Quando me aproximei das famílias dos projetos apoiados pelo Instituto Ronald McDonald, fui me familiarizando, mas muitas vezes as palavras me fugiam ao tentar dar algum apoio. Nestas horas, nem mesmo a maternidade me parecia uma boa ferramenta de diálogo.

    Na ânsia por apoiar quem gostamos, dizemos coisas que reforçam pensamentos prejudiciais. Isso não significa que somos ruins e devemos nos afastar.

    As rotinas de casas de apoio que fazem parte da rede beneficiada pelo Instituto, assim como as Casas Ronald McDonald não deixam dúvida sobre o poder curativo da presença de pessoas queridas na rotina de quem enfrenta a doença.

    Porém, refletindo sobre essa fragilidade, resolvi deixar aqui 5 dicas que aprendi nestes últimos meses ouvindo frases ditas na melhor das intenções:

    “Nossa, você está muito bem, está mais gordinho(a)!”

    Falar sobre a aparência física de um paciente pode ser uma “armadilha”. Existem alguns métodos para tratar o câncer, e cada corpo reage de forma distinta a eles, mas é fato que a agressividade das intervenções fica aparente nos aspectos físicos.

    Então, estar mais gordo não é necessariamente sinal de saúde e a queda dos cabelos não é algo bobo. Todas as mudanças externas são sinais de rotinas bem difíceis de tratamento.

    “Meu vizinho teve câncer e ele sofreu tanto, espero que você não passe pela mesma coisa.”

    O câncer é o nome dado para um conjunto de mais de 100 doenças, e embora muito estudado por milhares de pesquisadores da saúde, ainda é um distúrbio que pode surpreender na sua manifestação. Cada organismo responde de um jeito à evolução da doença, ao tratamento, e as características históricas, genéticas e psicológicas de cada paciente.

    Evite contar e comparar as experiências de pessoas diferentes. Caso você tenha uma história muito incrível de superação para contar, tente destacar as vitórias ao invés dos momentos mais dramáticos, valorizar a cura é o mais importante.

    “Você tem que enxergar as coisas com mais positividade.”

    Enfrentar um grande desafio como câncer requer coragem e muito otimismo, mas, infelizmente, nem sempre nossa mente tem esta disposição toda. Por isso, pessoas com câncer lidam de maneiras muito diferentes ao processo, além de passar por fases distintas e dias que são melhores e outros piores.

    Tente não se apegar as falhas e fraquezas dessa trajetória. As pessoas têm posturas particulares diante dos problemas, apenas respeite cada uma delas.

    “Mas você acha que fazer isso ou aquilo não seria melhor?”

    A medicina tradicional dedica grande parte dos seus esforços para encontrar os melhores métodos contra o câncer. Ainda não temos um procedimento ideal que evite sofrimentos, mas já avançamos muito em direção a cura.

    Como já falamos aqui, cada corpo reage de uma forma, e alguns procedimentos serão mais eficientes que outros para determinadas pessoas. Busque ajudar levando informações, mas nunca critique ou duvide da eficácia das tentativas já adotadas.

    “Isso vai passar e rapidinho você vai estar melhor”

    Especificamente com as crianças, lidar com definições temporais pode ser bastante desafiador. Elas têm percepções diferentes sobre o tempo e ainda estão aprendendo a dominar a paciência.

    Comentários assim podem gerar uma expectativa que nem sempre será atingida, prazos vagos ou afirmações incorretas geram dúvidas e medos na criança. Procure abraçá-las e mostre como estará por perto todo o tempo necessário, passando cuidado e proteção.

    É óbvio que na maioria das vezes todos esses comportamentos são reflexos de uma imensa vontade de ajudar. Buscamos mostrar que estamos ali, torcendo e mandando as melhores energias.

    Continue com esse propósito, mas tente lembrar de 3 coisas:

    É compreensível que às vezes nos sintamos sem saber o que fazer, mas um pouquinho de sensibilidade pode mostrar exatamente como agir. Com carinho e atenção você pode ser uma ótima companhia para alguém que só precisa de um ombro amigo. Quer saber como? Leia nosso conteúdo sobre bem-estar de crianças e adolescentes com câncer.

    Leia mais no blog

    IRM Histórias

    • overlay

      Mariele Costa da Silva

      X

      A história de Mariele é muito especial, pois ela foi uma das primeiras crianças a usufruir da Casa Ronald McDonald Belém, uma casa de apoio feita com muito carinho para receber pacientes que chegam à capital do Pará para tratamento. Vale lembrar que, segundo dados do Inca (Instituto Nacional d... (Continuar lendo sobre Mariele Costa da Silva)

    • overlay

      Maria Vitória Gomes Ferreira

      X

      Maria Vitória tem apenas 11 anos, mas já passou por muita coisa na vida. Quando tinha apenas cinco aninhos foi diagnosticada com um tumor cerebral. Ela teve que mudar radicalmente sua rotina. Saiu do pequeno município de Rio Crespo, em Rondônia, no norte do país, para uma grande cidade com o... (Continuar lendo sobre Maria Vitória Gomes Ferreira)

    • overlay

      Ítalo Derick Cortez Paes

      X

      Quem vê um rapaz deste tamanho nem imagina que ele tem apenas 14 anos. O olhar e o sorriso são de um jovem que em breve estará livre do câncer! E olha só: já está até comemorando com o V da Vitória. Ítalo foi diagnosticado com leucemia mieloide aguda em 2017. Ele fez o tratamento lá em... (Continuar lendo sobre Ítalo Derick Cortez Paes)

    • overlay

      Wenddy Silva

      X

      Wenddy Silva, natural de Macapá, tem 6 anos e é portadora de Leucemia Linfocítica Aguda. É hóspede da Casa Ronald McDonald em Jahu há seis meses para realização de transplante de medula óssea no Hospital Amaral Carvalho. “Aqui na Casa Ronald McDonald eu adoro brincar na sala de recrea... (Continuar lendo sobre Wenddy Silva)

    • overlay

      GABRIELE LIMA

      X

      Gabriele de Lima tem 16 anos e é portadora de Osteosarcoma. Está em tratamento a 5 anos e hospedada na Casa Ronald McDonald ABC a 5 meses. A jovem adora os passeios que realiza na Casa, as atividades de artesanato e a interação com os voluntários. "Gostaria de agradecer a todos os colaboradore... (Continuar lendo sobre GABRIELE LIMA)

    • overlay

      RICK DEIVID

      X

      Rick Deivid Ferreira tem 12 anos e é portador de Leucemia. Está em tratamento há 10 meses. Torcedor do Vaso da Gama, Rick sonha em ser jogador de futebol.

      “Nesses 10 meses que eu venho para o hospital sempre fico aqui. No Espa... (Continuar lendo sobre RICK DEIVID)

    • overlay

      NATALI GOMES

      X

      Natali Gomes tem 23 anos, é ex-paciente e voluntária na Casa Ronald McDonald Moema na área de visitas. Um dos seus sonhos é ajudar voluntariamente crianças que vivem em orfanatos.

      "Recebi meu diagnóstico de aplasia de medula ... (Continuar lendo sobre NATALI GOMES)

    • overlay

      JULIA MORENO

      X

      Julia Moreno tem 8 anos e está em tratamento, por um período indeterminado, contra uma mielodisplasia e glicogenose hepática 1B. Desde novembro de 2014, Julia é hospede da Casa Ronald McDonald Campinas. Para sua Mãe, Milena Pereira, a experiência na Casa Ronald McDonald se resume a um excelen... (Continuar lendo sobre JULIA MORENO)

    • overlay

      FAMÍLIA AMORIM

      X

      Emocionante história de uma mulher guerreira, que com muita doçura lutou, batalhou e venceu o câncer da sua filha: uma menina de 7 anos, diagnosticada com câncer aos três. Em 2013, Michele e Renata, mãe e filha, foram as estrelas da campanha McDia Feliz. Para qualquer família, enfrentar um d... (Continuar lendo sobre FAMÍLIA AMORIM)

    • overlay

      FAMÍLIA NEVES

      X

      A história da Família Neves começou com a história de uma família comum: pai, mãe e dois filhos que viviam no bairro da Tijuca e levavam uma vida tradicional. Trabalho, escola, lazer no Tijuca Tênis Clube e futebol com a torcida pelo Vasco da Gama. Mas esta história começou a tomar um novo ... (Continuar lendo sobre FAMÍLIA NEVES)

    • overlay

      MARIANA BICALHO

      X

      Mariana Bicalho, hoje com 7 anos de idade, se recuperou totalmente após um ano e meio de tratamento contra um câncer renal. Moradora da cidade de Petrópolis, no Rio de Janeiro. Em 2010, quando tinha apenas dois anos de idade, Mariana desenvolveu um nefroblastoma, q... (Continuar lendo sobre MARIANA BICALHO)

    • overlay

      LAUDINE ROQUE

      X

      Em julho de 2005, quando a Laudine Roque tinha 13 anos, ela foi diagnosticada com Leucemia. O período principal do tratamento durou cerca de 4 meses no Hemorio. À época, Laudine residia no bairro da Tijuca, no Rio de Janeiro, próximo a Casa Ronald McDonald Rio de Janeiro, onde teve oportunidade ... (Continuar lendo sobre LAUDINE ROQUE)

    Conheça as

    Famílias

    FIQUE POR DENTRO DAS NOVIDADES

    Inscreva-se para receber todas as atualizações do Instituto Ronald McDonald