close.png

Newsletter SignUp

Inscreva-se no nosso eNewsletter para ler histórias inspiradoras de nossas famílias e aprenda como seu apoio ajuda as crianças a se curarem.

  •  
  • Erro

    Não foi possível recuperar seus dados devido a um erro.

  • close.png thank_you.png
    OBRIGADO POR INSCREVER-SE

    Estamos muito satisfeitos por você ter decidido se juntar à nossa família. Hoje, você se juntou a um movimento global que permite que as famílias se concentrem no que é mais importante - o filho doente - enquanto cuidamos do resto!

    Seus amigos na Ronald McDonald House Charities
     

    Papo cabeça: como doar cabelo voluntariamente?

    É normal a gente encontrar alguém careca, principalmente as mulheres, e de cara já relacionar com o câncer. Acontece porque um dos efeitos colaterais do tratamento é a alopecia.

    Alopecia é a queda do cabelo causado pelos tratamentos de radioterapia e quimioterapia. Geralmente, vem acompanhado de outras manifestações como náuseas, tonturas, dores e feridas. Varia muito de paciente para paciente, mas, normalmente, de todos os efeitos, a queda do cabelo acaba sendo uma das consequências mais impactantes, principalmente, para as outras pessoas.

    A quimioterapia e a radioterapia são tratamentos clínicos destinados a matar as células cancerígenas, mas eles não atingem apenas elas. O tratamento reflete no organismo por inteiro, exigindo de todo o corpo a força para travar uma guerra.

    É uma consequência necessária e muito dolorosa para o paciente e sua família, pois, além de afetar a vaidade, expõe uma fase extremamente íntima.

    Aqui entra a força do voluntariado.

    A queda do cabelo acontece já nas primeiras fases do tratamento, quando o paciente ainda está lidando com a notícia, mas precisa iniciar, com urgência, a medicação.

    Muitos deles relatam a dificuldade de lidar com o olhar das pessoas, a sensação de piedade e a necessidade de precisar explicar e falar do assunto com os mais curiosos.

    Todo mundo sabe que as intenções são as melhores, mas não vai ser sempre que o paciente estará com disposição e emocional para falar e dividir suas angústias com outras pessoas.

    As perucas são poderosas ferramentas para resgatar a autoestima em uma rotina de luta. Principalmente quando estamos falando de adolescentes. Nesta fase, eles descobrem o autoconhecimento e disputam a aceitação dos amigos, etapa de amadurecimento importante na adolescência.

    É aí que uma corrente linda de amor espalha brilho nos olhos de pacientes com a doação voluntária de cabelo e perucas.

    Como assim doar cabelo?

    Enquanto as mulheres entram na onda feminista de cortar os cabelos, aderir à moda dos curtos e assumir os cachos, do outro lado, pessoas fazem desse movimento um ato de generosidade.

    Não só elas, mas muitos homens também estão deixando os cabelos crescerem só para ajudar.

    Com isso, pessoas e instituições trabalham para coletar material (cabelo), produzir perucas e espalhar felicidade.

    Que incrível! Como faz para ajudar?

    Primeiro passo é cortar o cabelo. É recomendável que o cabelo não tenha química e, obrigatoriamente, que seja um corte de pelo menos 10 cm (senão fica difícil de fazer a peruca). Procure se informar como fazer o corte, e assim que chegar ao cabeleireiro já avise que sua juba tem destino certo.

    Depois é só escolher para qual instituição você quer entregar os fios. Não tem complicação, dá pra enviar até pelos Correios.

    Aqui tem uma lista de sites onde você pode se informar, com locais nos quais você pode doar cabelo:

    Fundação Laço Rosa
    Casa Ronald McDonald RJ
    Cabelegria
    Hospital do Câncer

    Você renova o visual, distribui sorrisos e depois o cabelo cresce. Não tem como ser melhor!

    Atitudes simples são revolucionárias. Quer saber mais? Leia no nosso blog!

    Leia mais no blog

    IRM Histórias

    • overlay

      Mariele Costa da Silva

      X

      A história de Mariele é muito especial, pois ela foi uma das primeiras crianças a usufruir da Casa Ronald McDonald Belém, uma casa de apoio feita com muito carinho para receber pacientes que chegam à capital do Pará para tratamento. Vale lembrar que, segundo dados do Inca (Instituto Nacional d... (Continuar lendo sobre Mariele Costa da Silva)

    • overlay

      JULIA FARIA

      X

      Em 2008, Julia Moreno Faria, hoje com 13 anos (2021), foi diagnosticada com glicogenose hepática 1B. Em 2014, um novo diagnóstico: mielodisplasia. Julia, apesar de ser nascida no Rio de Janeiro, é hospede da Casa Ronald McDonald Campinas, no interior de São Paulo, e ainda continua seu tratamento... (Continuar lendo sobre JULIA FARIA)

    • overlay

      FAMÍLIA NEVES

      X

      A história da Família Neves começou com a história de uma família comum: pai, mãe e dois filhos que viviam no bairro da Tijuca e levavam uma vida tradicional. Trabalho, escola, lazer no Tijuca Tênis Clube e futebol com a torcida pelo Vasco da Gama. Mas esta história começou a tomar um novo ... (Continuar lendo sobre FAMÍLIA NEVES)

    • overlay

      Maria Vitória Gomes Ferreira

      X

      Maria Vitória tem apenas 11 anos, mas já passou por muita coisa na vida. Quando tinha apenas cinco aninhos foi diagnosticada com um tumor cerebral. Ela teve que mudar radicalmente sua rotina. Saiu do pequeno município de Rio Crespo, em Rondônia, no norte do país, para uma grande cidade com o... (Continuar lendo sobre Maria Vitória Gomes Ferreira)

    • overlay

      JUAN YURE

      X

      Da cidade de Fortaleza, no Ceará, Juan Yure Carneiro das Chagas, com apenas 12 anos, já enfrentou obstáculos que poderiam desestruturar qualquer pessoa adulta. Depois de uma inocente brincadeira entre amigos, Juan descobriu uma alteração no osso femoral. A partir dessa constatação, ele foi di... (Continuar lendo sobre JUAN YURE)

    • overlay

      MACISTER JUSTINO

      X

      Aos 17 anos, com um caderno de desenhos e lápis de cor nas mãos, Macister Junior Justino chegou na Casa Ronald McDonald Campinas, umas das sete unidades do Programa Casa Ronald McDonald em operação no Brasil. O jovem foi diagnosticado com Linfoma de Hodgkin – um câncer no sistema linfático -... (Continuar lendo sobre MACISTER JUSTINO)

    • overlay

      HELOISA GEMELLI

      X

      Em maio de 2017, aos 14 anos, Heloisa Gemelli, de Cascavel, no Paraná, foi diagnosticada com Linfoma de Hodgkin. Seu pai, Alessandro, médico, já havia sido capacitado pelo Programa Diagnóstico Precoce do Instituto Ronald McDonald (o Programa, em 10 anos, já capacitou mais de 26 mil profissionai... (Continuar lendo sobre HELOISA GEMELLI)

    • overlay

      OSCAR E ANA BEATRIZ

      X

      Ana Beatriz, 19, andava inquieta pelos corredores do Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo, em Belém - PA. Ela não gostava de ficar muito tempo no quarto. Internada para fazer exames relacionados ao Teratoma de Ovário, em 2017, quando conheceu a Vilma, que estava com o filho internado. Ele,... (Continuar lendo sobre OSCAR E ANA BEATRIZ)

    • overlay

      JUAN CARLOS

      X

      Em 2011, aos 10 anos, Juan Carlos de Araújo Moreira foi diagnosticado com câncer: 10 tumores malignos e uma metástase no pulmão. Hoje, aos 18 anos, ele está curado, é estudante de técnico de informática, está no seu primeiro emprego e tem o sonho de estudar fora do país. Juan mora em Campo... (Continuar lendo sobre JUAN CARLOS)

    • overlay

      Vicente e Antônio

      X

      "Eu falo para todo mundo que meu filho foi muito bem recebido na Casa Ronald McDonald Belém. É um lugar muito organizado, que nos recebeu de braços abertos. Estou muito feliz de estar aqui com ele". O relato emocionado é do Vicente Nascimento, pai do Antônio Márcio Nascimento, de 13 anos, q... (Continuar lendo sobre Vicente e Antônio)

    Conheça as

    Famílias

    FIQUE POR DENTRO DAS NOVIDADES

    Inscreva-se para receber todas as atualizações do Instituto Ronald McDonald