close.png

Newsletter SignUp

Inscreva-se no nosso eNewsletter para ler histórias inspiradoras de nossas famílias e aprenda como seu apoio ajuda as crianças a se curarem.

  •  
  • Erro

    Não foi possível recuperar seus dados devido a um erro.

  • close.png thank_you.png
    OBRIGADO POR INSCREVER-SE

    Estamos muito satisfeitos por você ter decidido se juntar à nossa família. Hoje, você se juntou a um movimento global que permite que as famílias se concentrem no que é mais importante - o filho doente - enquanto cuidamos do resto!

    Seus amigos na Ronald McDonald House Charities
     

    Terapia Ocupacional: o que é e como ela ajuda na oncologia infantil?

    É muito comum a gente simplificar o tratamento de uma doença à atuação de um único profissional: o médico. Aqueles a quem recorremos para prescrever exames, remédios e terapias. Entretanto, muitas intervenções dependem de uma equipe multidisciplinar para o sucesso do tratamento. O câncer, por exemplo, é uma dessas doenças que precisam de metodologias integrais para a melhora dos pacientes. Em geral, essas equipes são formadas por psicólogos, psiquiatras, assistentes sociais, fisioterapeutas, enfermeiros e também os terapeutas ocupacionais. E é sobre esse último grupo que vamos falar hoje! 

    Terapeutas ocupacionais são profissionais que atuam em diversas áreas da saúde, da educação e também em questões sociais como atendimento à população carcerária. 

    Saiba mais sobre sobre a importância de manter o bem estar das crianças aqui

    Mas afinal, como é o trabalho de um terapeuta ocupacional? 

    O Blog do Instituto Ronald McDonald conversou com a Rafaela Cunha Baía, terapeuta ocupacional na Casa Ronald McDonald de Belém, e ela nos contou um pouco sobre essa profissão. Muitas pessoas não sabem bem o que um terapeuta ocupacional faz, mas seu trabalho é muito importante para a realidade de muitas pessoas. Sua principal função é estudar e empregar atividades que utilizem instrumentos artísticos para promover bem-estar em algumas situações que podem ser patológicas ou não. Como afirma Rafaela: 

    “Buscamos proporcionar o máximo de autonomia e independência às ocupações humanas como brincar, trabalhar, estudar, e tantas atividades de lazer, permitindo a participação social do paciente. O terapeuta ocupacional atua com pessoas de qualquer faixa etária, que por algum motivo temporário ou definitivo, apresentem déficits, problemas ou limitações físicas, cognitivas, psicológicas, sensoriais ou sociais.”

    Trata-se de um processo terapêutico que utiliza diversos instrumentos para fazer com que indivíduos consigam se reintegrar à sociedade após problemas de âmbito físico, psicológico ou social.

    A metodologia aplicada inclui exercícios que atingem a autonomia e a autoestima dos pacientes.

    Terapia ocupacional é um tipo de fisioterapia?

    Essa é uma das dúvidas que mais passa pela cabeça das pessoas, e a resposta é: não. Terapia ocupacional e fisioterapia são coisas distintas, mas que podem ser complementares.

    Fisioterapia é um tratamento dedicado a fortalecer músculos e desenvolver mobilidade. Já a terapia ocupacional vai além dos movimentos, ela trabalha emoção, sentimento, reação, afetividade, autoconhecimento e educação. O objetivo da terapia ocupacional é contribuir para o restabelecimento da pessoa em relação a sua vida cotidiana.

    Quais são as atividades mais comuns?

    A terapia ocupacional não é focada em falar e sim em fazer. Por meio das atividades propostas, o profissional projeta a independência do paciente em relação aos traumas e questões que o impedem de levar a vida normalmente. 

    Durante a sessão terapêutica é possível realizar trabalhos com tinta, com desenho, com leitura, com dinâmicas. As abordagens variam de paciente para paciente e realidade para realidade, mas é uma evolução conjunta entre terapeuta e paciente. Rafaela explica que a terapia ocupacional se faz necessária quando a pessoa é acometida com alguma disfunção neurológica, doença, síndromes, trauma, disfunções devido ao trabalho, condições de incapacidade pediátrica ou geriátrica e sofrimento psíquico, nesses casos a auxilia no desempenho de suas ocupações de maneira satisfatória. Sobre as atividades, ela esclarece: 

    “O trabalho desempenhado na Casa Ronald McDonald Belém é voltado à ressignificação da participação social para o bom convívio entre os moradores, acompanhantes e demais profissionais da Casa, para isso estimulamos a empatia através da troca de experiência e do desenvolvimento psicomotor de modo cooperativo, ou seja, por meio de jogos psicomotores, observando as crianças com riscos de atrasos neuropsicomotores para possíveis encaminhamentos para o tratamento clínico, além disso fazemos também a atenção e escuta terapêutica, amenização dos efeitos negativos do tratamento e quebra da rotina.”

    Terapia ocupacional na oncologia infantil 

    É por isso que para o tratamento oncológico ela se faz tão importante, porque ajuda o paciente a encarar a perspectiva de futuro. Quando aquele desafio passar, será preciso viver uma nova realidade que existirá a partir de tudo que a doença trouxe. As tristezas, as dores, a ausência, a mudança de rotina, a superação e até mesmo a cura. Tudo isso é parte de um processo complexo que transforma para sempre a vida de uma pessoa. E quando tudo isso acontece na vida de uma criança ou adolescente esse apoio torna-se ainda mais importante. Afinal, são muitos sentimentos e aprendizados para alguém tão novo.

    “Sabemos que o paciente oncológico sofre uma quebra de suas ocupações e rotinas, encontrando diversas dificuldades para realizá-las devido o tratamento oncológico. O Terapeuta Ocupacional buscará suprir estas dificuldades conforme os fatores de riscos, resgatando as atividades importantes do cotidiano de cada indivíduo conforme suas vontades e peculiaridades, objetivando contribuir para a recuperação no tratamento completo”, complementa, Rafaela. 

    Uma criança quando fica internada deixa muita coisa para trás como lazer, escola, amigos e até mesmo sua identidade física. Os cabelos caem, elas engordam emagrecem e algumas perdem até membros. Um turbilhão de acontecimentos e sentimentos que se fazem presentes integralmente em uma rotina que pode durar meses ou até anos. Saiba tudo sobre o câncer infantil no post tudo sobre o câncer infantojuvenil.

    “O terapeuta ocupacional atua durante o processo de desospitalização, amenizando os aspectos negativos da hospitalização, favorecendo a autoconfiança e autoestima (que muitas vezes ficam diminuídas devido às consequências da doença: emagrecimento, perda de cabelo, mal-estar, etc) e retomando ao máximo a autonomia e a independência do paciente oncológico. ”

    Nesse sentido, os terapeutas ocupacionais trabalham para humanizar esse processo a partir de atividades que possam conectar a criança a ela mesma. Construindo a personalidade de um “eu” pós câncer infantojuvenil.




     

     

    Leia mais no blog

    IRM Histórias

    • overlay

      Mariele Costa da Silva

      X

      A história de Mariele é muito especial, pois ela foi uma das primeiras crianças a usufruir da Casa Ronald McDonald Belém, uma casa de apoio feita com muito carinho para receber pacientes que chegam à capital do Pará para tratamento. Vale lembrar que, segundo dados do Inca (Instituto Nacional d... (Continuar lendo sobre Mariele Costa da Silva)

    • overlay

      Maria Vitória Gomes Ferreira

      X

      Maria Vitória tem apenas 11 anos, mas já passou por muita coisa na vida. Quando tinha apenas cinco aninhos foi diagnosticada com um tumor cerebral. Ela teve que mudar radicalmente sua rotina. Saiu do pequeno município de Rio Crespo, em Rondônia, no norte do país, para uma grande cidade com o... (Continuar lendo sobre Maria Vitória Gomes Ferreira)

    • overlay

      Ítalo Derick Cortez Paes

      X

      Quem vê um rapaz deste tamanho nem imagina que ele tem apenas 14 anos. O olhar e o sorriso são de um jovem que em breve estará livre do câncer! E olha só: já está até comemorando com o V da Vitória. Ítalo foi diagnosticado com leucemia mieloide aguda em 2017. Ele fez o tratamento lá em... (Continuar lendo sobre Ítalo Derick Cortez Paes)

    • overlay

      Wenddy Silva

      X

      Wenddy Silva, natural de Macapá, tem 6 anos e é portadora de Leucemia Linfocítica Aguda. É hóspede da Casa Ronald McDonald em Jahu há seis meses para realização de transplante de medula óssea no Hospital Amaral Carvalho. “Aqui na Casa Ronald McDonald eu adoro brincar na sala de recrea... (Continuar lendo sobre Wenddy Silva)

    • overlay

      GABRIELE LIMA

      X

      Gabriele de Lima tem 16 anos e é portadora de Osteosarcoma. Está em tratamento a 5 anos e hospedada na Casa Ronald McDonald ABC a 5 meses. A jovem adora os passeios que realiza na Casa, as atividades de artesanato e a interação com os voluntários. "Gostaria de agradecer a todos os colaboradore... (Continuar lendo sobre GABRIELE LIMA)

    • overlay

      RICK DEIVID

      X

      Rick Deivid Ferreira tem 12 anos e é portador de Leucemia. Está em tratamento há 10 meses. Torcedor do Vaso da Gama, Rick sonha em ser jogador de futebol.

      “Nesses 10 meses que eu venho para o hospital sempre fico aqui. No Espa... (Continuar lendo sobre RICK DEIVID)

    • overlay

      NATALI GOMES

      X

      Natali Gomes tem 23 anos, é ex-paciente e voluntária na Casa Ronald McDonald Moema na área de visitas. Um dos seus sonhos é ajudar voluntariamente crianças que vivem em orfanatos.

      "Recebi meu diagnóstico de aplasia de medula ... (Continuar lendo sobre NATALI GOMES)

    • overlay

      JULIA MORENO

      X

      Julia Moreno tem 8 anos e está em tratamento, por um período indeterminado, contra uma mielodisplasia e glicogenose hepática 1B. Desde novembro de 2014, Julia é hospede da Casa Ronald McDonald Campinas. Para sua Mãe, Milena Pereira, a experiência na Casa Ronald McDonald se resume a um excelen... (Continuar lendo sobre JULIA MORENO)

    • overlay

      FAMÍLIA AMORIM

      X

      Emocionante história de uma mulher guerreira, que com muita doçura lutou, batalhou e venceu o câncer da sua filha: uma menina de 7 anos, diagnosticada com câncer aos três. Em 2013, Michele e Renata, mãe e filha, foram as estrelas da campanha McDia Feliz. Para qualquer família, enfrentar um d... (Continuar lendo sobre FAMÍLIA AMORIM)

    • overlay

      FAMÍLIA NEVES

      X

      A história da Família Neves começou com a história de uma família comum: pai, mãe e dois filhos que viviam no bairro da Tijuca e levavam uma vida tradicional. Trabalho, escola, lazer no Tijuca Tênis Clube e futebol com a torcida pelo Vasco da Gama. Mas esta história começou a tomar um novo ... (Continuar lendo sobre FAMÍLIA NEVES)

    • overlay

      MARIANA BICALHO

      X

      Mariana Bicalho, hoje com 7 anos de idade, se recuperou totalmente após um ano e meio de tratamento contra um câncer renal. Moradora da cidade de Petrópolis, no Rio de Janeiro. Em 2010, quando tinha apenas dois anos de idade, Mariana desenvolveu um nefroblastoma, q... (Continuar lendo sobre MARIANA BICALHO)

    • overlay

      LAUDINE ROQUE

      X

      Em julho de 2005, quando a Laudine Roque tinha 13 anos, ela foi diagnosticada com Leucemia. O período principal do tratamento durou cerca de 4 meses no Hemorio. À época, Laudine residia no bairro da Tijuca, no Rio de Janeiro, próximo a Casa Ronald McDonald Rio de Janeiro, onde teve oportunidade ... (Continuar lendo sobre LAUDINE ROQUE)

    Conheça as

    Famílias

    FIQUE POR DENTRO DAS NOVIDADES

    Inscreva-se para receber todas as atualizações do Instituto Ronald McDonald